Eleições presidenciais na Costa do Marfim: violência inter-étnica no reduto do candidato Affi N'Guessan

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Com a nova Constituição de 2016, os mandatos de Ouattara foram resumidos a zero

18 de outubro de 2020

A violência intercomunal, que deixou feridos, ocorre desde sexta-feira em Bongouanou (150 km ao norte de Abidjan, capital da Costa do Marfim), reduto do candidato presidencial Pascal Affi N'Guessan, ex-primeiro-ministro de Laurent Gbagbo, cuja casa foi incendiada, segundo disseram residentes à AFP.

Esta violência ocorre num momento em que a oposição, que inclui N'Guessan, lançou na quinta-feira um slogan de "boicote ativo" ao "processo eleitoral" e em particular pediu aos seus ativistas que "impedissem a realização de qualquer operação ligada à eleição presidencial" de 31 de outubro. A oposição pede, em particular, uma reforma da comissão eleitoral e do conselho constitucional, que acusa de serem subservientes ao poder.

Os habitantes do distrito de Agnikro (grupo étnico local Agni) e os de Dioulabougou (distrito de Dioula do norte, principalmente pró-Ouattara) entraram em confronto com "porretes e facões", segundo várias testemunhas contactadas por telefone. Casas e lojas foram incendiadas. "A situação é insustentável. Muitos feridos foram levados ao hospital", disse Mathieu, morador de Bongouanou.

“Houve feridos ontem (sexta-feira). Hoje, ainda não temos uma avaliação. Eles colocaram fogo na minha casa”, disse o candidato Affi N'Guessan à AFP. "As pessoas (que incendiaram minha casa) vêm de Abidjan. Eles têm como alvo propriedades dos líderes da oposição", disse ele.

"A situação está tensa. A minha casa particular foi incendiada. A faculdade particular IEGT foi incendiada, todos os computadores foram roubados", disse à AFP o vice-presidente de câmara de Bongouanou, Gilbert Amalaman, parente de Pascal Affi N'Guessan.

A violência inter-étnica deixou cerca de quinze mortos em agosto e setembro em várias cidades do país na sequência do anúncio da candidatura do presidente Alassane Ouattara para um polémico terceiro mandato e após a rejeição pelo Conselho Constitucional de 40 candidaturas, incluindo as do ex-líder rebelde e ex-primeiro-ministro Guillaume Soro e do ex-presidente Laurent Gbagbo. Além de Ouattara e Affi N'Guessan, o ex-presidente Henri Konan Bédié e o ex-deputado Kouadio Konan Bertin concorrem.

Eleito em 2010, reeleito em 2015, o Sr. Ouattara anunciou em março que renunciaria a concorrer a um terceiro mandato, antes de mudar de ideia em agosto, após a morte de seu golfinho designado, o primeiro-ministro Amadou Gon Coulibaly.

A lei marfinense prevê um máximo de dois mandatos, mas o Conselho Constitucional estimou que, com a nova Constituição de 2016, os mandatos de Ouattara foram resumidas a zero, o que a oposição contesta ferozmente.

O medo da violência eleitoral é forte na Costa do Marfim, dez anos após a crise pós-eleitoral de 2010-2011 que deixou 3.000 mortos, depois que o Presidente Laurent Gbagbo se recusou a reconhecer a sua derrota eleitoral contra Alassane Ouattara.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com