Eleições no Brasil ocorre sem filas mas com problemas na biometria

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

27 de outubro de 2014

A aposentada Marizete Gomes, 57 anos, demorou pouco mais de um minuto para votar em seus candidatos a governador do Distrito Federal e presidente da República neste segundo turno. “Acho que foram dois segundos. Um segundo para cada um”, brincou. A biometria, segundo ela, funcionou de primeira. “Foi ótimo e totalmente o contrário do primeiro turno, quando fiquei por quase três horas na fila”, contou.

Lucimar Magalhães, 65 anos, também se surpreendeu com a ausência de filas e a facilidade da biometria. A autônoma não votou no primeiro turno porque não estava em Brasília e precisou justificar. “A biometria facilitou muito. Ficou tudo muito prático. A votação foi rápida, sem fila”, disse. Para ela, o esquema deve ser mantido nos próximos pleitos.

O técnico de segurança do trabalho Cléberson Oliveira, 35 anos, ficou satisfeito com a ausência de filas em seu local de votação. “Foi bem mais rápido do que eu esperava. No primeiro turno, justifiquei, porque estava em Minas. Agora que conheço, o sistema de biometria está aprovado”, avaliou.

Já a aposentada Neusa Leite, 59 anos, enfrentou problemas com a biometria no primeiro turno. “A máquina não conseguia ler minha digital de jeito nenhum”. Agora, no segundo turno, o problema se repetiu. Neusa conseguiu votar em ambos os turnos, mas vai precisar recadastrar a digital. “Pra mim, a biometria ainda não funcionou”, contou.

O militar Luís Henrique Rodrigues, 44 anos, também não deu sorte com a biometria neste segundo turno. O fiscal da seção tentou de tudo – até um paninho para secar o suor das mãos do eleitor. “Não adiantou. O sistema não reconheceu minha digital. Tentamos uma sete ou oito vezes”, disse. “Votei normalmente, mas vou procurar logo o TRE [Tribunal Regional Eleitoral] e deixar tudo certo para as próximas eleições”, completou.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati