Eleição geral filipina: militares e policiais estão em alerta máximo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

9 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Dezenas de milhões de eleitores nas Filipinas foram às urnas na segunda-feira para escolher o próximo presidente, vice-presidente, centenas de membros do Congresso e milhares de governadores, prefeitos e vereadores.

A polícia e os militares filipinos disseram no domingo que permanecerão em alerta máximo para a eleição nacional. A atual situação geral nas Filipinas continua sendo “relativamente pacífica.”

A eleição presidencial é amplamente disputada entre Ferdinand Marcos Jr., filho do ex-ditador Ferdinand Marcos Jr., e a atual vice-presidente, a advogada de direitos humanos Leni Robredo.

Autoridades eleitorais dizem que não houve grandes interrupções nas eleições em nenhum lugar, e o entusiasmo pela votação parece ser alto. Marcos vem liderando as pesquisas.

O atual presidente Duterte não apoiou explicitamente nenhum dos candidatos presidenciais, mas seu partido apoia Marcos Jr. e sua candidata a vice-presidente, a filha de Duterte, Sarah.

A Reuters informou que o tenente-general Andres Centino, chefe do Estado Maior das Forças Armadas das Filipinas, enfatizou durante uma entrevista coletiva que está pronto para qualquer contingência e prometeu garantir eleições seguras, precisas, livres e justas nas Filipinas.

Violência política, acusações de fraude e práticas fraudulentas desonraram as eleições anteriores. No entanto, a polícia disse que registrou muito menos irregularidades relacionadas às eleições do que as eleições gerais de 2016 e as eleições de meio de mandato de 2019.

O chefe da Polícia Nacional, Vicente Danao, disse esperar que a calma se mantenha até ao último dia do processo eleitoral.

A Associated Press disse que o sucessor de Duterte vai arcar com o enorme fardo deixado pelo atual governo, incluindo a economia prejudicada pela pandemia, pobreza mais profunda, desemprego mais amplo e preços crescentes do petróleo e da gasolina.

Fontes