Ebola: desafio do Brasil é preparar toda a rede de saúde para detectar suspeitas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

13 de novembro de 2014

Brasil

O diretor técnico do Instituto de Infectologia e Hospital Emílio Ribas, Luiz Carlos Pereira, disse hoje (13) que o grande desafio brasileiro diante da epidemia de ebola é preparar toda a rede de saúde para detectar casos suspeitos da doença. Durante audiência pública na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, ele avaliou a atuação da Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Cascavel (PR) na identificação do primeiro e único caso suspeito de ebola no país como um exemplo de competência e eficácia. "O que nos preocupa é quando um serviço não consegue identificar a suspeita".

Segundo Pereira, o Instituto Emílio Ribas, a pedido de diversos municípios, está preparando um treinamento com imagens a ser repassado a todos os profissionais de saúde. "É preciso que haja capilarização da informação nos serviços básicos de saúde", reforçou. O diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, avaliou que, embora sejam pequenos os riscos de uma pessoa com o vírus entrar no Brasil, é sempre possível a chegada de alguém infectado ao país. "Nossa prioridade é evitar que o caso chegue e, se chegar, evitar que seja transmitido para mais uma pessoa", disse, ao destacar que países como a Espanha e os Estados Unidos chegaram a registrar casos secundários após a entrada da doença."

Durante o debate, o representante da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) no Brasil, Henrique Vazquez, reforçou a importância de evitar o estabelecimento da transmissão local no caso de entrada do ebola no país. Segundo ele, os passos a serem seguidos, prioritariamente, são: detecção precoce, isolamento e monitoramento do paciente e rastreio de contatos. *Matéria alterada às 14h15 do dia 13/11/2014 para corrigir informação no terceiro parágrafo. O treinamento para profissionais de saúde está sendo preparado pelo Instituto Emílio Ribas e não pela Fiocruz, como estava no texto

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati