EUA tem interesse em empresa que bloqueou internet na Bielorrússia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

15 de setembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

As atividades da empresa norte-americana Sandvine, cujas tecnologias foram utilizadas pelas autoridades bielorrussas no mês passado para bloquear o acesso a milhares de sites, levantaram questões do Senado dos Estados Unidos.

De acordo com a Bloomberg, representantes da Sandvine se reuniram diretamente com autoridades na Bielorrússia e, em seguida, enviaram seus equipamentos por meio de outra empresa.

Por vários dias, usando a tecnologia fornecida, as autoridades bielorrussas bloquearam o acesso às redes sociais, sites de notícias e serviços de mensagens usados ​​pelos manifestantes contra os resultados das eleições presidenciais.

O senador Dick Durbin dos EUA instou o Departamento do Tesouro a investigar possíveis violações da Sandvine as sanções impostas à Bielorrússia.

É importante notar que há mais de dez anos as empresas estadunidenses foram proibidas de fornecer financiamento, bens e serviços ao regime de Aleksandr Lukashenko.

Durante uma teleconferência, a empresa disse estava trabalhava para uma agência bielorrussa há mais de um ano. De acordo com a direção, foi fornecida à Bielorrússia tecnologia para filtrar cerca de 40% de todo o tráfego de internet, o que não seria uma violação das sanções.

Fontes

ru Помогавшей блокировать интернет в Беларуси компанией заинтересовался Сенат СШАSecurityLab, 15 de setembro de 2020

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com