EUA se juntam ao Reino Unido e à UE com novas sanções ao Irã

24 de janeiro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os Estados Unidos se juntaram à União Europeia e ao Reino Unido na imposição de novas sanções ao Irã em resposta à repressão aos manifestantes.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse a repórteres em um briefing que as novas sanções envolveram 10 pessoas, incluindo o vice-ministro de inteligência do Irã e os principais comandantes da Guarda Revolucionária.

Price disse que as sanções visavam “promover a responsabilidade pelos direitos humanos do regime iraniano”.

“A ação de hoje é a mais recente de várias parcelas de sanções feitas em estreita consulta com nossos aliados e parceiros e destinadas a indivíduos iranianos e entidades ligadas à repressão cruel e violenta das autoridades iranianas”, disse Price.

O Ministério das Relações Exteriores do Irã condenou na terça-feira as novas sanções da União Europeia e do Reino Unido e prometeu retaliar na mesma moeda.

“A República Islâmica anunciará em breve a lista de novas sanções contra os violadores dos direitos humanos da UE e da Inglaterra”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Nasser Kanaani, em comunicado.

As sanções da União Europeia tiveram como alvo dezenas de autoridades e organizações. A lista de sanções da UE incluía o ministro do Esporte e da Juventude do Irã, Hamid Sajjadi, oficiais superiores da Guarda Revolucionária e várias empresas de segurança cibernética. As sanções do Reino Unido incluíram o vice-procurador-geral Ahmad Fazelian.

Fontes[editar | editar código-fonte]