EUA: ambientalistas aplaudem o primeiro enviado climático

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A neta de dois anos de John Kerry sentou-se em seu colo enquanto o então secretário de Estado assinava o acordo de Paris da ONU sobre mudanças climáticas em nome dos Estados Unidos em 2016.

Quando o presidente eleito Joe Biden o nomeou o primeiro enviado climático para a segurança nacional na segunda-feira, Kerry postou uma foto daquele momento no Twitter.

O trabalho que iniciamos com o Acordo de Paris está longe de terminar. Estou voltando ao governo para colocar a América de volta no caminho certo para enfrentar o maior desafio desta geração e das que virão. A crise climática exige nada menos do que todas as mãos no convés. — John Kerry

Ambientalistas aplaudiram a nomeação. "Existem poucas pessoas no mundo com um histórico tão notável em mudanças climáticas quanto John Kerry", disse o CEO do World Resources Institute, Andrew Steer, em um comunicado.

Kerry foi fundamental na negociação do acordo de Paris. Antes disso, ele trabalhou com autoridades chinesas em um acordo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa daquele país.

No entanto, muitos republicanos continuam a argumentar que o acordo de Paris prejudicou os Estados Unidos porque as promessas de redução de emissões dos EUA eram maiores do que as de outros grandes emissores, como China e Índia. O acordo não exige que os países cumpram suas promessas, no entanto.

Como senador dos Estados Unidos por Massachusetts, Kerry patrocinou um projeto de lei com o objetivo de limitar a produção de energia a partir de combustíveis fósseis, o esforço legislativo mais abrangente para isso. O projeto foi aprovado na Câmara dos Representantes, mas falhou no Senado em 2010.

Mudança brusca

Kerry se junta a um governo que visa colocar a mudança climática no topo de sua agenda. Biden fez campanha sobre o assunto e considerou-o uma de suas maiores prioridades ao assumir o cargo.

Isso marcará uma ruptura brusca com a administração Donald Trump. Além de afrouxar dezenas de regulamentações sobre emissões de gases de efeito estufa e produtores de combustível fóssil, o presidente Trump retirou o país do acordo climático.

A retirada dos EUA do acordo climático de Paris entrou oficialmente em vigor em 4 de novembro, um dia após a eleição de Biden. Biden disse que planeja voltar ao acordo logo após assumir o cargo.

A nomeação de Kerry "envia um sinal poderoso para o resto do mundo de que os Estados Unidos estão prontos para voltar a um papel de liderança climática", disse um comunicado de John Podesta e Christy Goldfuss, chefe de energia e meio ambiente do CAP.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com