Desinformação tornam a cobertura das eleições filipinas um desafio

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

8 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Jornalistas que cobrem a eleição presidencial de maio nas Filipinas dizem que notícias falsas e ataques online estão tornando a reportagem um desafio.

À medida que os candidatos, incluindo o favorito Ferdinand Marcos Jr., disputam o comando de Rodrigo Duterte, a desinformação está aumentando.

As Filipinas são vistas como um campo de testes para campanhas de desinformação e muitas vezes são chamadas de “Paciente Zero” por analistas que acompanham a disseminação de notícias falsas.

Os jornalistas que cobrem a eleição e a política descrevem ainda um ambiente hostil promovido à mídia por Duterte e seus apoiadores.

O Escritório de Operações de Comunicações Presidenciais do país não respondeu imediatamente ao pedido de comentário.

Para Jervis Manahan, repórter da rede de mídia ABS-CBN, “o maior desafio é a desinformação”.

“As notícias falsas tornaram-se tão críveis que o público pensa que é verdade. Tornou-se tão difundido na sociedade”, disse ele por e-mail.

Manahan vem cobrindo a campanha da vice-presidente Leni Robredo, que tem sido atormentada pela desinformação online desde que anunciou sua candidatura.

Um estudo sobre desinformação relacionada a eleições do site local de checagem de fatos Vera Files diz que Robredo é o principal alvo, inclusive por meio de declarações falsamente atribuídas a ela.

As citações de Robredo foram distorcidas para “fazer com que ela pareça estar falando besteira”, disse a professora de jornalismo Yvonne Chua durante uma palestra online em 16 de março organizada pela Universidade das Filipinas.

Em trechos de sua palestra publicados no site de notícias Rappler, Chau disse que parte do problema é “a falta de curiosidade dos filipinos – apenas aceitando o fluxo de informações”.

Cerca de metade dos entrevistados em uma pesquisa de dezembro achou difícil reconhecer a desinformação online, relatou Rappler.

Sinalizar a desinformação tornou-se uma tarefa regular para o canal de Manahan.

“Temos que recuar todos os dias. Não há melhor antídoto para a desinformação do que a verdade. Temos que combater mentiras com verdade. Então, continuamos fazendo o que estamos fazendo. Seguimos Leni Robredo e contamos histórias factuais e reportamos”, disse Manahan.

Parte dessa denúncia inclui esforços para desmascarar informações falsas. Manahan disse que quando reportagens ligaram Robredo ao movimento comunista, seu veículo produziu reportagens refutando as alegações.

“Havia tantos artigos online atribuindo declarações falsas ao (vice-presidente), que publicamos cartões de arte para dizer ao público que são falsos”, acrescentou.

A ABS-CBN, maior rede do país, também enfrenta trolls que buscam desacreditar seu trabalho. Foi forçado a parar de transmitir na televisão local em 2020, depois que o Congresso das Filipinas negou à empresa a renovação da licença de franquia.

Alguns críticos questionaram se o governo de Duterte atrasou a renovação.

O presidente já havia acusado a rede de não veicular seus anúncios de campanha e a atacou pela cobertura de suas políticas, disse a Human Rights Watch.

O gabinete de Duterte negou envolvimento, dizendo no ano passado que a decisão veio do Congresso e não de seu governo.

A ABS-CBN ainda oferece programas de notícias e entretenimento online e tem acordos para transmitir seus programas com outras emissoras de televisão menores. Mas um grande setor de suas operações cessou nas Filipinas.

Fontes