Democracia e liberdade declinando em todo o mundo, constata o Freedom House Report

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

4 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Durante 2020, a liberdade em todo o mundo diminuiu pelo 15º ano consecutivo, de acordo com a Freedom House em sua avaliação anual de direitos políticos e liberdades civis, país por país.

O grupo agora diz que menos de um quinto da população mundial vive em países “totalmente livres”, a menor porcentagem desde 1995.

“As descobertas deste ano deixam bem claro que ainda não contornamos a maré autoritária”, disse Sarah Repucci, vice-presidente de pesquisa e análise da Freedom House. “Os governos democráticos terão que trabalhar em solidariedade uns com os outros e com os defensores da democracia e defensores dos direitos humanos em ambientes mais repressivos, se quisermos reverter 15 anos de declínios acumulados e construir um mundo mais livre e pacífico.”

O relatório afirma que a pandemia de coronavírus proporcionou a muitos regimes em todo o mundo uma oportunidade de “reduzir a transparência, promover informações falsas ou enganosas e reprimir o compartilhamento de dados desfavoráveis ou visões críticas”.

“Os bloqueios às vezes eram excessivos, politizados ou brutalmente impostos pelas agências de segurança. E líderes antidemocráticos em todo o mundo usaram a pandemia como cobertura para enfraquecer a oposição política e consolidar o poder ”, disse o grupo.

“Na verdade, muitos dos desenvolvimentos negativos do ano provavelmente terão efeitos duradouros, o que significa que o eventual fim da pandemia não irá necessariamente desencadear uma revitalização imediata da democracia.”

O grupo “rebaixou as pontuações de liberdade” de 73 países em sua avaliação. O grupo criticou a "influência maligna" da China, não apenas por sua repressão a Hong Kong, mas por uma "campanha global de desinformação e censura" que impediu a capacidade do mundo de responder à pandemia do coronavírus. "

O relatório também acusou a China de "maior intromissão no discurso político doméstico de democracias estrangeiras, bem como extensões transnacionais de abusos de direitos comuns na China continental".

A influência cada vez maior da China em organizações internacionais como a Organização das Nações Unidas, a Organização Mundial da Saúde e o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas permitiu a Pequim promover "uma visão da chamada não interferência que permite que abusos de princípios democráticos e padrões de direitos humanos fiquem impunes enquanto a formação de alianças autocráticas é promovida . ”

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit