Declaratório da Receita sobre mudança contábil da Petrobras deve ficar pronto em dez dias

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

15 de agosto de 2009

Brasil


O ato declaratório da Receita Federal com orientações sobre a mudança do regime contábil em um mesmo ano fiscal como fez a Petrobras deve ficar pronto em dez dias, segundo estimativa de técnicos do órgão. O ato declaratório é utilizado para deixar claro qual é a interpretação de um decreto, lei ou instrução normativa.

A mudança contábil permitiu à empresa pagar menos impostos, diante da crise econômica. A operação, considerada polêmica, foi um dos argumento para a criação, no Senado, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras.

Convidado pela CPI, Otacílio Cartaxo, até então Secretário Adjunto da Receita Federal e confirmado como efetivo na última quinta-fera (12), alegou que não é "consensual" dentro da Receita a questão da mudança do regime tributário, de caixa para competência e vice-versa, no mesmo ano fiscal.

No caso da Petrobras, a discussão também é se a compensação de créditos tributários (abatimento de impostos) para a estatal não teria causado prejuízos estimados em mais de R$ 4 bilhões para a União.

A Petrobras afirma que o valor não é de R$ 4 bilhões, mas sim de R$ 1,14 bilhão, já compensado corretamente no Imposto de Renda, Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e outros tributos federais no início de 2009. Portanto, segunda a empresa, não teria havido prejuízo para a União.

Inicialmente, a Receita Federal tinha informado que a Petrobras não poderia ter alterado o regime de pagamento de impostos no meio do ano passado. Em nota divulgada pelo órgão, os novos critérios de recolhimento só deveriam ser aplicados no ano seguinte à mudança.

De acordo com o órgão, qualquer empresa tem liberdade para escolher o regime de pagamento de tributos sobre variações cambiais – caixa ou competência. Com base na Medida Provisória 2.158-35, de 2001, a Receita alegou, no entanto, que as mudanças só poderiam ser aplicadas no ano seguinte.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati