Crise migratória Marrocos-Espanha: associação diz que número de mortos pode ser bem maior

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Fronteira entre Melilla e o Marrocos

26 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Segundo a AMDH (Association Marocaine des Droits Humains) de Nador, o número de migrantes africanos mortos após um confronto na fronteira entre o enclave de Melilha (Espanha) e o Marrocos na sexta-feira pode ser “muito superior ao número 27.” Oficialmente autoridades reportaram 18 mortes, mas dezenas de feridos, vários em estado grave, haviam sido levados ao Hospital Hassani. A Associação desde ontem diz que a cifra é maior e hoje reportou que 21 covas já haviam sido abertas num cemitério da cidade de Nador, Marrocos.

Na sexta-feira pela manhã, cerca de 2 mil migrantes provenientes da África Subsariana atacaram um posto policial na fronteira. Eles tinham avançado por território marroquino e estavam acampados numa floresta em Nador, perto Melilha. O grupo entrou em choque com os policiais marroquinos, usando facas, paus e pedras, e 500 deles conseguiram ultrapassar a barreira e chegar até a cerca que separa os dois países, onde a polícia espanhola tentou detê-los, enquanto os migrantes usavam ganchos para subir e ultrapassar a barreira (na foto). Estima-se que 130 teriam tenham conseguido entrar em território espanhol de forma ilegal.

A AMDH também acusou as autoridades de impedir o acesso da imprensa ao hospital, ao necrotério e ao cemitério e de "querer enterrar os migrantes rapidamente".

Além de migrantes, mais de 100 policiais dos dois países também ficaram feridos durante o ataque ao posto fronteiriço.

Notícias Relacionadas

Fontes