Crescem as preocupações com jornalistas desaparecidos na Ucrânia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

4 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Grupos de vigilância da mídia estão expressando preocupação com o destino de jornalistas que desapareceram na Ucrânia depois que um fotojornalista ucraniano foi encontrado morto no sábado.

Maks Levin, um fotógrafo ucraniano que estava desaparecido há mais de duas semanas, foi encontrado morto perto da capital, Kiev.

“Ele desapareceu na área de conflito em 13 de março na região de Kiev. Seu corpo foi encontrado perto da vila de Huta-Mezhyhirska em 1 de abril”, disse o assessor presidencial Andriy Yermak no sábado em um post no Telegram.

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), com sede em Nova York, condenou a morte de Levin, pedindo a ambos os lados do conflito que investiguem o assassinato.

As autoridades russas e ucranianas devem “garantir que os responsáveis ​​sejam responsabilizados e garantir a segurança dos jornalistas que cobrem a guerra do solo”, disse o diretor do programa do CPJ, Carlos Martínez de la Serna, em comunicado no sábado.

O National Press Club, com sede em Washington, disse que Levin foi morto por forças russas enquanto trabalhava ao norte de Kiev. Ele acrescentou que Levin é o nono jornalista a ser morto cobrindo a invasão russa da Ucrânia, que começou em 24 de fevereiro.

“Pedimos que sua morte seja investigada como crime de guerra. Alvejar civis, incluindo jornalistas, é um crime de guerra”, disseram Jen Judson, presidente do National Press Club e Gil Klein, presidente do National Press Club Journalism Institute, em comunicado conjunto no domingo.

A Rússia está negando o ataque a civis ou jornalistas, dizendo que tais relatórios são “notícias falsas”.

Fontes