Covid-19: exército brasileiro produziu cloroquina para “dar esperança à população”, mas admitiu que o remédio não tinha eficácia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O Exército brasileiro afirmou, em resposta ao Tribunal de Contas da União (TCU), que a produção de cloroquina feita por seu laboratório neste ano, a pedido presidente do Jair Bolsonaro, “seria o equivalente a produzir esperança a milhares de corações aflitos com o avanço e os impactos da doença no Brasil e no Mundo”.

O documento foi obtido com exclusividade pela Fiquem Sabendo por meio da LAI (Lei de Acesso à Informação), após meses de recursos e uma decisão favorável à agência pela Controladoria-Geral da União.

O documento foi enviado em julho, em resposta a uma investigação do TCU sobre suposto faturamento na compra dos insumos para fabricação do remédio. O valor pago foi 167% maior do que no ano passado à mesma empresa, que importou o produto.

Mais de 3 milhões de comprimidos já foram fabricados pelo Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército (LQFEX), criando um estoque inédito de mais de 400 mil comprimidos, conforme revelou a Fiquem Sabendo em reportagem no Yahoo Notícias (leia aqui).

Para ler o documento do Exército na íntegra (Protocolo 60143.003116/2020-50) clique aqui.

O assunto virou destaque no Twitter, na seção da rede social sobre Covid, e também deu origem a uma matéria na revista Época da Globo (acesse aqui).

Notícias Relacionadas

Fontes

Nota: conforme aviso no website da Fiquem Sabendo, “este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional”, que permite copiar e transformar o material, mesmo para uso comercial, desde que citada a fonte.


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit