Covid-19: OMS afirma que o anúncio sobre eficácia das vacinas é encorajador, mas que são necessários mais dados

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) disseram ontem que as notícias sobre outra vacina contra a Covid-19 são encorajadoras, mas que são necessárias mais informações e, como novos casos de vírus surgem em todo o mundo, não é hora de ser complacente.

Em sua coletiva de imprensa regular em Genebra, os funcionários da OMS reagiram às notícias da empresa farmacêutica americana Moderna de que sua vacina candidata tinha uma eficácia superior a 90%.

A cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, disse que o nível de eficácia desta vacina, bem como a da vacina da Pfizer anunciada na semana passada, é muito encorajador.

Mas, disse ela, ainda restam muitas dúvidas sobre a duração da proteção que elas proporcionam, o impacto nos casos graves do vírus, o impacto em diferentes subpopulações, especialmente em idosos, bem como ainda há dúvidas sobre os eventos adversos a médio e longo prazo. Swaminathan disse esperar que os ensaios clínicos continuem a coletar dados para responder a essas perguntas.

O Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que, embora as notícias sobre as vacinas sejam motivo de “otimismo cauteloso”, não é hora para complacência. Ele disse que a agência está atualmente “extremamente preocupada” com o aumento de casos de Covid em alguns países, “particularmente na Europa e nas Américas”.

Ecoando comentários que fez no início do dia para o conselho executivo da OMS, Tedros disse que uma vacina por si só não vai acabar com a pandemia. Em vez disso, será uma ferramenta valiosa junto com os testes e o rastreamento da rede de contatos das pessoas contaminadas. Ele enfatizou que é necessária a vigilância contínua nas comunidades e entre as pessoas.

Notícia Relacionada


Fonte


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com