Covid-19: Fiocruz vai analisar a intercambialidade de vacinas AstraZeneca e CoronaVac

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de outubro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

A Fiocruz vai conduzir um estudo para avaliar os efeitos da imunização com a combinação das vacinas CoronaVac e AstraZeneca. Ao todo, sete unidades da Fundação irão atuar na pesquisa, que será feita nas cinco regiões do país com 1.400 voluntários.

A pesquisa avaliará a imunogenicidade – capacidade de estimular a resposta imune – e a segurança das combinações das vacinas, tanto para o esquema de dose 1 coma Coronavac e dose 2 com a AstraZeneca, como o contrário.

A evolução da resposta imune será acompanhada por cerca de um ano, quando os voluntários serão entrevistados e fornecerão amostras periodicamente.

A proposta de estudo foi apresentada ao Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde após a ocorrência de mais de 16 mil casos de "trocas de imunizantes" no país. O esquema indicado era que cada pessoa recebesse duas doses da mesma vacina, mas, em fevereiro passado, profissionais de saúde de Porto Velho, Rondônia, que haviam recebido a primeira dose da CoronaVac foram vacinados posteriormente com a AstraZeneca. O fato levou a Fiocruz a iniciar estudos para investigar as consequências da vacinação trocada e a descobrir milhares de outros casos em todo Brasil.

“Ainda não há dados publicados sobre a intercambialidade das vacinas CoronaVac e AstraZeneca. Os resultados do projeto devem esclarecer se os protocolos com combinação dessas vacinas induzem proteção e a duração da imunidade. Essas informações podem contribuir para o planejamento do PNI [Programa Nacional de Imunizações], apontando esquemas mais efetivos e permitindo a substituição de vacinas caso haja falta de doses de um dos imunizantes”, disse a coordenadora do projeto e pesquisadora do Laboratório de Imunofarmacologia do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Adriana Vallochi.

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit