Conselho de Segurança da ONU levanta as sanções contra o Banco Central da Líbia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Predefinição:Economia e Negócios 17 de dezembro de 2011

Nova Yorque, Estados Unidos — O Conselho de Segurança da ONU anulou as sanções ontem, na sexta-feira (16), contra o Banco Central da Líbia e uma entidade subsidiária, alcaçando o caminho para que se descongelem os bens do país africano no exterior e assim poder fazer frente a uma severa crise financeira.

O regime de 42 anos de Gaddafi (ou Kadafi) entrou em colapso quando as forças abandonaram Trípoli em agosto e as lutas terminaram dois meses depois, quando o líder foi capturado e assassinado por rebeldes.

No final de novembro só haviam liberado apenas 18 bilhões(PT-BR) ou mil milhões(PT-PT) de dólares, de acordo com diplomatas, cerca de 3 bilhões(PT-BR) ou mil milhões(PT-PT) dessa cifra estavam disponíveis para o novo Governo Líbio.

Uma resolução da ONU em setembro aliviou as sanções à Líbia, quitando da lista para a empresa nacional de petróleo. Na semana passada, importantes figuras do Governo Líbio pediram para quitar-se o Banco Central da lista de instituições sancionadas.

Entretanto, os Estados Unidos suspendeu na sexta-feira a maior parte das sanções econômicas que havia imposto contra a Líbia antes da queda de Gaddafi.

Após uma cuidadosa consulta com o novo Governo da Líbia, os Estados Unidos deixou sem efeito a maior parte das sanções contra o Governo Líbio para manter nosso compromisso com o povo líbio.

Casa Branca, Estados Unidos

Após o surto em fevereiro de uma rebelião contra o líder Muammar Gaddafi, o Conselho congelou bens líbios no exterior, estimado em 150 bilhões(PT-BR) ou mil milhões(PT-PT) de dólares.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati