Conselho de Segurança da ONU levanta as sanções contra o Banco Central da Líbia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Predefinição:Economia e Negócios 17 de dezembro de 2011

Nova Yorque, Estados Unidos — O Conselho de Segurança da ONU anulou as sanções ontem, na sexta-feira (16), contra o Banco Central da Líbia e uma entidade subsidiária, alcaçando o caminho para que se descongelem os bens do país africano no exterior e assim poder fazer frente a uma severa crise financeira.

O regime de 42 anos de Gaddafi (ou Kadafi) entrou em colapso quando as forças abandonaram Trípoli em agosto e as lutas terminaram dois meses depois, quando o líder foi capturado e assassinado por rebeldes.

No final de novembro só haviam liberado apenas 18 bilhões(PT-BR) ou mil milhões(PT-PT) de dólares, de acordo com diplomatas, cerca de 3 bilhões(PT-BR) ou mil milhões(PT-PT) dessa cifra estavam disponíveis para o novo Governo Líbio.

Uma resolução da ONU em setembro aliviou as sanções à Líbia, quitando da lista para a empresa nacional de petróleo. Na semana passada, importantes figuras do Governo Líbio pediram para quitar-se o Banco Central da lista de instituições sancionadas.

Entretanto, os Estados Unidos suspendeu na sexta-feira a maior parte das sanções econômicas que havia imposto contra a Líbia antes da queda de Gaddafi.

Após uma cuidadosa consulta com o novo Governo da Líbia, os Estados Unidos deixou sem efeito a maior parte das sanções contra o Governo Líbio para manter nosso compromisso com o povo líbio.

Casa Branca, Estados Unidos

Após o surto em fevereiro de uma rebelião contra o líder Muammar Gaddafi, o Conselho congelou bens líbios no exterior, estimado em 150 bilhões(PT-BR) ou mil milhões(PT-PT) de dólares.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com