Conhecimento sobre produção de bomba atômica é essencial para o país, dizem especialistas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de setembro de 2009

Brasil


A publicação da pesquisa do físico brasileiro Dalton Girão Barroso sobre o funcionamento do mecanismo de uma bomba atômica representa um trunfo estratégico para o Brasil, segundo especialistas em assuntos militares. Girão Barroso desenvolveu, em sua tese de doutorado, um modelo matemático que poderia ser aplicado em um artefato nuclear.

O pesquisador de Assuntos Militares da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Expedito Bastos acredita que ter o conhecimento para produzir uma bomba atômica é uma peça importante de “barganha” no cenário político internacional.

Essa visão é compartilhada pelo coordenador do Núcleo de Estudos Estratégicos da Universidade Federal Fluminense (UFF), Eurico Figueiredo. Segundo ele, saber fazer um artefato nuclear é estratégico para o Brasil, principalmente no contexto da política de defesa nacional, na qual a “dissuasão” tem papel chave.


A dissuasão quer dizer o seguinte: você tem uma arma e eu tenho uma outra. Logo, você imagina que não pode apontar sua arma para mim, porque se você apontar minha retaliação será muito forte e, portanto, o custo-benefício do seu ataque não será propício a você.
Figueiredo


Ambos concordam, no entanto, que há uma distância grande entre ter a capacidade de produzir e efetivamente construir uma bomba atômica:


Cquote1.png

Nós assinamos diversos tratados que não nos impedem de fazer isso [produzir a bomba] abertamente. Há um preço a pagar, talvez muito alto, para querer ter uma bomba.

Cquote2.svg
Expedito Bastos




Além de ser signatário do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, o Brasil expressa, em sua própria Constituição Federal, que toda atividade nuclear realizada em território nacional deverá ter fins pacíficos.

Figueiredo acredita que o Brasil é um país que vem despontando como um dos principais atores globais e, por isso, deve começar a discutir se deseja ou não integrar o grupo de nações que possuem arsenais nucleares.


Cquote1.png

No médio prazo, o Brasil terá que discutir a questão da energia nuclear aplicada a outros fins, que não sejam pacíficos. Por que essa necessidade vai surgir? O Brasil caminha para se tornar um dos dez países mais importantes do mundo. E, na medida em que as grandes potências dispõem também deste artefato, a sociedade brasileira terá que se esclarecer a respeito da conveniência, ou não, de contar com tais armamentos.

Cquote2.svg
Figueiredo




O risco do Brasil decidir por investir em pesquisas sobre armas nucleares e produzir tais artefatos, segundo Expedito Bastos, é que o país poderá ser isolado internacionalmente, como ocorreu com o Iraque (durante o regime de Saddam Hussein), a Coreia do Norte e até o Irã (apesar de não ter um programa oficial de armas nucleares, o Irã é acusado pelos Estados Unidos e a Europa de manter um projeto secreto).

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati