Começa o inverno meteorológico no Hemisfério Sul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

1 de junho de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
Os Hemisférios Norte e Sul: quanto mais a sul ou a norte, tanto mais frio será o inverno, uma vez que a estação é pouco característica perto da Linha do Equador

Começa hoje o inverno meteorológico no Hemisfério Sul do planeta - e, por conseguinte, o verão no Hemisfério Norte. Por ser uma estação que apresenta características mais marcantes, como as baixas temperaturas, abaixo e acima dos trópicos de Capricórnio e de Câncer, a mudança será mais sentida, justamente, no Sul do Hemisfério Sul, tanto no Sul do Brasil e do Paraguai, como em todo Uruguai e em quase todo território da Argentina e do Chile, assim como no Sul da África, principalmente na África do Sul, e em países como a Austrália e Nova Zelândia.

No Brasil, especificamente, segundo o meteorologista Tiago Robles para o Tempo - Meteored, junho representa o primeiro mês em que ocorrem com maior frequência do avanço de sistema frontais e massas de ar polar, proporcionando aumento da precipitação no estado do Rio Grande do Sul e parte dos estados de Santa Catarina e do Paraná, bem como a diminuição das temperaturas em todo o Centro-Sul, com eventos mais intensos, quando o ar frio chega até a Região Norte.

Ocorre neve no Brasil?

A mais forte precipitação de neve já registrada no Brasil ocorreu na cidade de Vacaria, no Rio Grande do Sul, no dia 7 de agosto de 1879, na qual a neve acumulou cerca de dois metros. Nevascas desse porte são frequentes em países como Canadá e Rússia, acima da latitude 50°.

Apesar de ser um país predominantemente tropical, o Brasil apresenta com relativa frequência a ocorrência de neve na região sul, onde o clima é mais frio, as frentes frias chegam com certa facilidade e a topografia é mais montanhosa, escreve o meteorologista Davi Moura no Tempo - Meteored.

Praticamente todos os anos, a região sul do Brasil apresenta a ocorrência de neve, principalmente em algumas cidades do estado de Santa Catarina como São Joaquim, Urupema, Urubici e Bom Jardim da Serra. A serra catarinense também é conhecida por ser uma das regiões mais frias do Brasil.

Porém, no quesito frio, o estado do Rio Grande do Sul e o Paraná não ficam para trás. Os estados gaúcho e paranaense também apresentam áreas favoráveis para a ocorrência de neve, principalmente nas regiões montanhosas. Ambas as capitais, Porto Alegre (RS) e Curitiba (PR), apesar da baixa altitude, já apresentaram neve.

Além das montanhas do sul do país, já nevou em estados de outras regiões do Brasil que, inclusive, estão em áreas tropicais, como em Campos do Jordão, em São Paulo, em 1928, 1942, 1947 e 1966, e no Parque Nacional de Itatiaia, no Rio de Janeiro, na divisa com Minas Gerais, em 1985, 1988 e 2012.

Inverno meteorológico e inverno astronômico: qual a diferença?

Os dois invernos são o mesmo, mudando apenas a definição do seu início e fim sob os pontos de vista meteorológico e astronômico, explica a meteorologista Paola Bueno no website Tempo - Meteored.

Na definição meteorológica, as estações são divididas em quatro períodos, compostas por três meses cada, com base no ciclo anual de temperatura. Para o hemisfério sul, o verão ocorre nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro; o outono nos meses de março, abril e maio; o inverno nos meses de junho, julho e agosto e a primavera nos meses de setembro, outubro e novembro, sempre com o início ocorrendo no começo do período (dia 1° do primeiro mês). Dessa forma, a duração das estações é mais consistente, bem como seu início e término, facilitando os cálculos das estatísticas climatológicas.

De acordo com a astronomia as estações do ano são baseadas na posição da Terra em relação ao Sol, enquanto que para meteorologia elas são baseadas no ciclo anual de temperatura. As estações astronômicas são resultado do efeito da inclinação de 23.5° do eixo de rotação da Terra em relação a sua órbita ao redor do Sol. Essa inclinação é a responsável por fazer com que a quantidade de energia solar seja variável ao longo do ano, em um determinado ponto do planeta. São 4 datas que marcam os inícios das estações: 2 solstícios (início do inverno em 21 de junho e do verão em 21 de dezembro) e 2 equinócios. No caso do solstício de inverno, em 21 de junho, o dia será o mais curto do ano, quando haverá a menor incidência de luz solar sobre a Terra.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit