Chile bate Argentina nos pênaltis e ganha o primeiro título da Copa América de 2015

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Imagem de foto do Alexis Sánchez, que marcou o pênalti decisivo do torneio.
Imagem: Governo do Chile.
2015 Copa América Chile.svg

6 de julho de 2015

Chile

No último sábado (4 de julho), o país anfitrião Chile derrotou a Argentina por 4 a 1 em penalidades na Copa América de 2015, que foi realizada no Estádio Nacional localizado na cidade de Santiago do Chile, para garantir o título pela primeira vez.

É a primeira vez que o futebol chileno lhe deu a primeira alegria aos seus torcedores depois de quase cem anos, que este ano teve a esse país sul-americano como anfitrião. A partida teve que se estender até a definição via penal por ter finalizado sem gols. Por outro lado, a seleção de futebol da Argentina soma-se a sua terceira derrota nas finais e não ganha algum título importante há 22 anos, quando em 1993, ganhou na Copa América, excluindo-se a histórica conquista de ouro nas Olimpíadas de Atenas, na Grécia, em 2004.

O primeiro tempo foi o mais entretimento dos dois, mostrando a ambas equipes com a plenitude física e a ambição de ganhar, mas nenhum dos dois tiveram grandes ocasiões, os chilenos tentaram adianta-se no campo, mas encontraram-se com os argentinos respondendo com força em seus contra-ataques. A mais clara foram Arturo Vidal aos 10 minutos e de Lavezzi aos 46 minutos, respectivamente. Durante o primeiro tempo, foram contabilizados três cartões amarelos; com total, ambas as metades, 49 faltas cometidas; ninguém marcou no primeiro tempo da partida e Chile teve 57% de posse de bola.

O segundo tempo mostrou o desgaste físico de ambas equipes e apenas pode-se destacar apenas duas jogadas, uma por cada equipe, a primeira de Alexis Sánchez que estava sozinho ao gol, sem nada que o marcar e outra uma combinação entre Messi, Lavezzi e Higuaín que desperdiçou este último a jogar-se tarde em busca da bola perto da trave da baliza. Durante o segundo tempo foram quatro cartões amarelos, mas ambas as equipes não encontrou a baliza.

Quando o segundo tempo terminou zero a zero, o empate obrigou a continuidade dessa partida a passar a ter o tempo extra, dois tempos divididos no total de 30 minutos com a mesma dinâmica no segundo tempo. Durante a prorrogação, Gonzalo Higuaín perdeu algumas chances de marcar o gol pela Argentina e a posterior definição por penalidades.

Chile começou melhor penalidade: todos os jogadores chilenos converteram cada pontapé de grande penalidade na baliza. Já a Argentina, nenhum outro argentino conseguiram marcar alguma penalidade, excerto a estrela do de FC Barcelona, Lionel Messi. A seleção argentina desperdiçou dois dos pênaltis, Higuaín chutou por cima da trave e Bánega rematou muito lento e o goleiro chileno o interrompeu sem dificuldade. Já a seleção chilena, Misses, Higuaín e Banega marcaram contra Argentina e Alexis Sanchez (Arsenal FC) selou a vitória do país anfitrião. Fim de partida e alegria para Chile no futebol, o primeiro em vários anos.

Capitão chileno Claudio Bravo ganhou troféu de ouro de luva e Eduardo Vargas ganhou o principal prêmio marcador.

Definição por penalidades
  • Flag of Chile.svg: Balón de Oro.svg Matías Fernández (gol).
  • Flag of Argentina.svg: Balón de Oro.svg Lionel Messi (gol).
  • Flag of Chile.svg: Balón de Oro.svg Arturo Vidal (gol).
  • Flag of Argentina.svg: No icon (white X on red circle).svg Gonzalo Higuaín (fora).
  • Flag of Chile.svg: Balón de Oro.svg Charles Aránguiz (gol).
  • Flag of Argentina.svg: No icon (white X on red circle).svg Éver Banega (defendido)
  • Flag of Chile.svg: Balón de Oro.svg Alexis Sánchez (gol).
Jogadores
  • Flag of Chile.svg: Claudio Bravo, Mauricio Isla, Gary Medel, Francisco Silva, Jean Beausejour, Charles Aránguiz, Marcelo Díaz, Arturo Vidal; Jorge Valdivia (m.74, Matías Fernández), Eduardo Vargas (m.94, Angelo Henríquez) y Alexis Sánchez. DT: Jorge Sampaoli
  • Flag of Argentina.svg: Sergio Romero; Pablo Zabaleta, Nicolás Otamendi, Martín Demichelis Marcos Rojo; Lucas Biglia, Javier Mascherano, Javier Pastore (m.80, Éver Banega); Lionel Messi, Ángel Di María (m.29, Ezequiel Lavezzi) y Sergio Agüero (m.73, Gonzalo Higuaín). DT: Gerardo Martino.

Árbitro: Wilmar Roldán Flag of Colombia.svg

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati