Chefe de Direitos Humanos da ONU chega à China

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

23 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, chegou à China na segunda-feira, em uma visita que deve ser dominada por alegações de abusos de direitos humanos na região de Xinjiang, noroeste do país.

Durante sua visita de seis dias, Bachelet viajará para as cidades de Kashgar e Urumqi, em Xinjiang, a capital da região. A ONU acusou a China de deter 1 milhão de uigures de etnia muçulmana em Xinjiang e submetê-los a abusos. A China nega ter maltratado os uigures.

Grupos de direitos humanos alertaram que a visita de Bachelet ameaça encobrir os abusos do governo chinês em Xinjiang.

Nenhuma mídia viajará com Bachelet em sua viagem, e não está claro se ela poderá visitar centros de detenção onde o governo da China deteve uigures. A China chama as instalações de centros de reeducação e diz que os usou com sucesso para reprimir a violência e restaurar a ordem na região.

Grupos de direitos humanos dizem que a China deteve uigures, cazaques e outras minorias muçulmanas em Xinjiang para eliminar suas identidades religiosas e culturais. O governo dos EUA disse que as ações da China equivalem a genocídio e crimes contra a humanidade.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse que Bachelet terá “extensas trocas com todos os setores” durante sua viagem.

“Espero que esta visita promova ainda mais o intercâmbio e a cooperação entre os dois lados e desempenhe um papel ativo no avanço da causa internacional dos direitos humanos”, disse ele na segunda-feira após confirmar sua chegada à cidade de Guangzhou, no sul da China.

Bachelet é a primeira alta comissária da ONU para direitos humanos a visitar a China desde 2005.

O escritório de Bachelet disse no Twitter que ela estaria “discutindo questões sensíveis e importantes de direitos humanos” e disse que espera que “esta visita nos ajude a trabalhar juntos para promover os direitos humanos na China e globalmente.” Seu escritório disse que Bachelet dará uma entrevista coletiva no final de sua viagem.

Fontes