Cerimônia memorial Arafat em Gaza cancelado seguido attaques à líderes do Fatah

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

10 de novembro de 2014

Fatah anunciou ontem que estava cancelando o memorial que foi planejado ser realizado amanhã na Cidade de Gaza para seu falecido líder Yasser Arafat, na sequência de uma onda de explosões de segmentação casas dos líderes do Fatah na Faixa de Gaza. Fontes do movimento Fatah culpou o Hamas, o movimento dominante na Faixa de Gaza, pelos ataques. Hamas negou envolvimento e condenou os ataques.

O memorial foi a ter lugar na terça-feira na praça Al-Katiba, para comemorar dez anos desde o fundador e líder do movimento Fatah, Yasser Arafat, morreu. No entanto, segundo Zakaria al-Agha, líder sênior Faixa de Gaza Fatah, serviços de segurança de Gaza ordenou que os trabalhadores de palco para o evento "para parar de trabalhar e sair".

Agha disse: "Após a série de explosões e atentados contra líderes do Fatah, temos sido notificado por autoridades políticas e de segurança do Hamas" que os serviços de segurança não será capaz de tomar conta de medidas de segurança durante a cerimônia de aniversário de Arafat".

Algumas autoridades da Fatah culparam a onda de explosões na Hamas. Um porta-voz do Fatah acrescentou que eles estavam esperando o governo de unidade "para atender aos interesses de nossa nação". Hamas negou qualquer ligação com os acontecimentos e seu porta-voz, Sami Abu Zuhri, condenou os ataques em sua página no Facebook.

O porta-voz do Ministério do Interior de Hamas, Iyad Al-Buzm disse o memorial tinha sido cancelado devido ao clima de tensão entre os dois movimentos se seguiram aos ataques durante os últimos dias, e devido a razões técnicas, incluindo o atraso no pagamento de salários para o pessoal de segurança pelo governo de unidade. Além disso, ele disse que o primeiro-ministro do governo de unidade, Rami Hamdallah, não entrou em contato com a segurança na Faixa de Gaza.

Em junho de 2014, após um acordo entre Hamas e Fatah, um governo de reconciliação foi estabelecido. Esta reconciliação foi ter permitido a primeira cerimônia memorial para Arafat em Gaza desde que o Hamas tomou a Faixa em 2007. Para os últimos meses, no entanto, recriminações entre os dois lados têm prejudicado o arranjo. Cerca de dois meses atrás, o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, acusou o Hamas de estabelecer um "governo sombra" na Faixa de Gaza. Trabalhadores do Hamas acusam liderança dominada pelo Fatah de não pagar seus salários.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati