Cercado em hotel, presidente eleito da Costa do Marfim espera solução pacífica para crise

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

6 de janeiro de 2011

Cercado em um hotel em Abidjan, capital da Costa do Marfim, o presidente eleito do país, Alassane Ouattara, aguarda uma solução pacífica para deixar o local. O líder da oposição, cuja vitória nas urnas foi confirmada pela Organização das Nações Unidas (ONU), quer assumir o poder, mas o atual presidente, Laurent Gbagbo, recusa-se a deixar o cargo.

Na última terça-feira (4) Gbagbo havia prometido negociar um “fim pacífico” para o impasse político no país. De acordo com autoridades, há um acordo sendo negociado na tentativa de acabar com a crise que começou com as eleições presidenciais, no final de novembro de 2010.

O oposicionista Ouattara foi reconhecido internacionalmente como vencedor do pleito, apesar de Gbagbo, que tentava a reeleição, também ter se declarado vencedor. Com os dois presidentes tendo organizado posses simultâneas, o país entrou em uma espécie de limbo político. O impasse tem provocado confrontos e violência entre militantes dos dois lados e a fuga de cidadãos do país.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) informou que há 22 mil pessoas na Costa do Marfim em busca da Libéria, que faz fronteira com o país. De acordo com a entidade, esse número aumenta.

Paralelamente, líderes políticos africanos pressionam para que Gbagbo deixe o governo. Ontem, o primeiro-ministro do Quênia, Raila Odinga, disse que Gbagbo não tem alternativa senão deixar a Presidência. Ainda não foi descartada a opção de uma intervenção militar no país por parte das nações oeste-africanas.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati