Camarões encerra escolas devido a ataques do Boko Haram

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de outubro de 2020

Camarões anunciaram o encerramento de mais de 60 escolas na sua fronteira norte com a Nigéria para salvar crianças e professores dos crescentes ataques do Boko Haram.

Segundo relatos a partir de Yaoundé, o Boko Haram está a usar cada vez mais homens-bomba, já que os militares reduziram drasticamente o poder de fogo do grupo terrorista.

Ousmanou Garga, o oficial de educação básica de Camarões, na fronteira norte com a Nigéria, diz que os recentes ataques do Boko Haram deixaram muitas escolas inseguras.

"Sessenta e duas escolas foram fechadas. As crianças devem ser escolarizadas [educadas] em outras escolas muito distantes das suas próprias aldeias ou abandonar a escola. 34.054 alunos foram registados como deslocados internos. Temos os alunos das comunidades de acolhimento; temos até alunos refugiados", disse.

Garga disse que os professores de todas as escolas afetadas fugiram com as crianças que ensinam.

Os militares dos Camarões relataram pelo menos três ataques do Boko Haram todas as semanas desde janeiro. Os militares dizem que a maioria dos agressores são homens-bomba, principalmente mulheres e crianças. Os militares dizem que o grupo terrorista incendiou 13 escolas nos últimos dois meses, prendeu pelo menos 200 pessoas para resgate e sequestrou um número desconhecido de civis.

O coronel Ndikum Azeh disse que os militares foram destacados para proteger os civis na área. Ele diz que algumas tropas também foram enviadas para ensinar alunos deslocados em áreas mais seguras e menos suscetíveis a ataques do Boko Haram.

Terroristas do Boko Haram lutam há 11 anos para criar um califado islâmico no nordeste da Nigéria. A luta espalhou-se para os Camarões, Chade, Níger e Benin, com assassinatos, sequestros e queimadas regulares de mesquitas, igrejas, mercados e escolas.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com