Cabo Delgado: Terroristas raptam adolescentes em Nangade

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

18 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

Elementos de um grupo terrorista ligado ao Estado Islâmico raptaram, pelo menos 10 pessoas, incluindo meninas e rapazes adolescentes, sexta-feira (15), na ldeia Chibão, interior do distrito de Nangade, província de Cabo Delgado, disseram à VOA várias fontes locais.

As fontes disseram que o grupo invadiu primeiro a aldeia Chicuaia ao cair da tarde de sexta-feira, tendo neutralizado e decapitado um miliciano, força local de proteção, contou à VOA um dos moradores.

Outro morador disse que não ficou claro se a arma na posse do miliciano terá sido levada pelos terroristas.

Num outro ataque a aldeia Chibão, não distante do local do primeiro ataque, o grupo raptou 10 pessoas, entre raparigas, rapazes e adultos, forçados a carregar os produtos saqueados na aldeia, contou um outro morador, que sobreviveu escondido num bosque.

População impotente

“Eles chegaram e amarraram os adultos, e recolheram outras pessoas (adolescentes), e não sabemos de onde são os atacantes e para onde levaram as pessoas”, disse uma testemunha, insistindo que a população se sente “impotente e atada” na guerra.

Um outro morador, Zunaid Omar, que está deslocado na vila sede de Nangade, desde o ataque recente à sua aldeia, contou à VOA que com os novos ataques “nós estamos numa ilha na vila sede (de Nangade), os terroristas rodearam toda vila”.

Igualmente, prosseguiu a fonte, os terroristas “são vistos a passar em algumas aldeias”, cuja população está refugiada nas machambas, o que reacende o clima de insegurança numa área que conta com a presença de forças estrangeiras.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) em Pemba não respondeu o nosso pedido de comentário sobre o novo rapto de pessoas por terroristas.

Numa entrevista recente à VOA a diretora da Save The Children em Moçambique, Brechtje Vanlith, disse que a organização humanitária continua “chocada e profundamente alarmada” com a persistência da violência em Cabo Delgado, com relatos de novos casos de raptos e decapitações de crianças, que forçaram a cerca de sete mil delas a procurar campos de abrigo em fevereiro.

A insurreição irrompeu em 2017, matando, pelo menos, quatro mil pessoas e forçando a fuga de cerca de 850.000. As táticas brutais dos insurgentes, incluindo decapitações, raptos em massa, e o incêndio de aldeias inteiras, abalaram a região.

Fonte