COVID-19: na Nigéria, ciclo interminável de greves de médicos e problemas com financiamentos deixam pacientes à mercê da doença

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

25 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Médicos no estado de Lagos fizeram uma greve de três dias entre 13 a 15 de julho passado para protestar contra a falta de medidas adequadas de segurança e bem-estar para profissionais que trabalham com pacientes com Covid-19.

O jornal online Premium Times informou que Oluwajimi Sodipo, chefe da Associação dos Médicos de Lagos, anunciou a greve em uma coletiva de imprensa em 12 de julho, em protesto à disparidade de tratamento entre os médicos de Lagos e seus colegas em hospitais federais. Os médicos que trabalham nos centros de isolamento da Covid de Lagos não tinham Equipamentos de Proteção Individual (EPI) suficientes, seguro-saúde e estavam com dois meses de salários atrasados, segundo Sodipo.

Em 13 de julho, o governo de Lagos fez um apelo para que os médicos da linha de frente voltassem ao trabalho e a greve acabou sendo suspensa em 16 de julho, devido a “disposição positiva ” demonstrada pelo governo para atender à demanda dos profissionais.

Um ciclo interminável

A ação de greve dos médicos tornou-se frequente na Nigéria, país mais populoso da África. Suas queixas são sempre as mesmas: querem mais medidas de bem-estar e proteção, a fim de fazer melhor seu trabalho. A resposta do governo é igualmente previsível: inicialmente é exagerada, com a ameaça de demissão de todos os médicos em greve se eles não voltarem ao trabalho. Mas, geralmente, "o tiro sai pela culatra" e o governo é forçado a recuar e a aceitar os pedidos.

E este padrão permaneceu igual, mesmo diante de uma crise global de saúde pública.

Em meados de 2014, os médicos residentes nigerianos entraram em greve durante a epidemia de Ebola por causa de demandas de assistência social. O governo nigeriano, em resposta, cancelou suas licenças. No entanto, depois culpou a mídia por deturpar os fatos referentes ao assunto. Já este ano, os médicos residentes entraram novamente em greve durante uma grande crise de saúde pública para protestar contra as más condições de trabalho e as inadequadas - ou não remuneradas - medidas de bem-estar previstas para os que trabalham no combate à Covid.

Em seu Twitter, a Dra. Nma Halliday comparou sarcasticamente o subsídio mensal ridiculamente baixo de risco à saúde concedido aos médicos nigerianos (60.000 nairas, ou cerca de 144 dólares por ano) com os subsídios anuais pagos aos legisladores nigerianos, que totalizam 6.000 dólares.

Fiel ao ciclo, o governo ameaçou mais uma vez demitir os médicos quando as negociações terminaram num impasse em 17 de junho, mas os médicos resistiram à intimidação e permaneceram firmes. A greve foi cancelada em 22 de junho, após a intervenção de governadores estaduais e legisladores federais.

Controvérsia sobre financiamentos

Durante a pandemia, alguns fundos do governo, supostamente dados a um hospital universitário no sudoeste da Nigéria, tornaram-se objeto de controvérsia e o que começou como uma coletiva de imprensa rotineira sobre o assunto, rapidamente terminou em acusações.

Em 23 de junho, Akinola Ojo, comissária de Saúde do estado de Oyo, no sudoeste da Nigéria, anunciou que o governo do estado gastou 2,7 bilhões de nairas (6,9 milhões de dólares) na luta contra a Covid. De acordo com o diário financeiro BusinessDay, Ojo afirmou que parte das despesas incluía os 118 milhões de nairas (304.000 dólares) concedidos ao University College Hospital (UCH), Ibadan "como apoio".

Mas no dia seguinte, na página do UCH no Facebook, o hospital negou ter recebido qualquer financiamento do governo de Oyo. O porta-voz Toye Akinrinlola sugeriu que, devido à confusão entre os nomes da Faculdade de Medicina de Ibadan e da UCH, a Faculdade de Medicina de Ibadan era o provável destinatário dos fundos do governo. Essa sugestão foi "enfaticamente e categoricamente" rejeitada pela administração da Faculdade de Medicina de Ibadan, que afirmou que não havia recebido nenhum financiamento do governo do estado.

Embora instituições separadas, a Faculdade de Medicina e a UCH estão interligadas. A Faculdade faz parte da Universidade de Ibadan, enquanto a UCH fica sob a supervisão do Ministério Federal da Saúde, mas os estudantes da Faculdade de Medicina de Ibadan e outros especialistas em saúde da África Subsaariana realizam treinamento clínico na UCH.

Em 24 de junho, o governo do Estado de Oyo insistiu que o financiamento em questão tinha ido para o departamento de virologia do UCH, e disse que a direção do UCH estava "renegando" seu próprio Departamento de Virologia.

No dia seguinte, a assessoria de comunicação do governador do Estado de Oyo twittou uma captura de tela de um comunicado de imprensa em que o chefe do Departamento de Virologia da UCH reconheceu ter recebido apoio financeiro do governo do estado para a luta contra a pandemia.

Uma história de dois laboratórios de testes

A controvérsia decorre em parte do fato de que existem dois laboratórios aprovados pelo Centro Nigeriano de Controle de Doenças (NCDC) para realizar testes de coronavírus em Ibadan, em Oyo: o laboratório do departamento de Virologia da UCH, credenciado em 28 de março, e o Laboratório Biorrepositório e Virologia do College of Medicinea, credenciado em 9 de junho.

Ambos os laboratórios funcionam no mesmo prédio.

O Laboratório Biorrepositório foi licenciado em 17 de abril. Este laboratório de patologia molecular foi inicialmente concebido como um banco de tecidos e a sua aprovação para fazer testes de Covid acabou gerando disputas internas - possivelmente uma batalha pela supremacia entre o College e a UCH e a sua unidade de virologia. Desde então, foi confirmado que o Departamento de Virologia da UCH foi o beneficiário do financiamento do governo estadual, mas todo o processo carecia de transparência.

O fato das administrações da UCH e o College negarem ter recebido recursos sugere que elas não estavam a par do financiamento.

Mas por que o Departamento de Virologia agiu de forma independente? Em qual conta bancária foi depositada a referida doação do governo estadual? Isto pode não ser tudo sobre o financiamento.

Em última análise, cenários como greves de médicos e problemas com financiamentos provavelmente se repetirão até que a raiz do problema - o financiamento inadequado - seja exorcizada pelo sistema de saúde pública da Nigéria. É insustentável que médicos e profissionais de saúde na linha de frente de uma pandemia devam ser pagos com "amendoins" enquanto os políticos, que pouco risco têm, ganham subsídios bem mais "gordos".

Também é indefensável o fato de que alguns administradores de hospitais públicos parecerem desinteressados ​​em servir ao bem comum, optando por se envolver em pequenas rivalidades, em detrimento da saúde de seus pacientes.

Até que algo aconteça, os nigerianos ficam à mercê de uma pandemia devastadora.

Fonte