Brasileiro viaja pouco, costuma ir de carro ou ônibus e ficar na casa de parentes ou amigos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

13 de agosto de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em torno de quatro quintos dos lares do país, nenhum residente viajou entre abril e agosto de 2019. O motivo dado em quase metade dos casos foi a falta de dinheiro. Dos que viajaram, mais da metade ocorreu dentro do estado.

Mais de um terço das viagens por motivos pessoais são para visitar familiares e amigos, seguidas de lazer e saúde. Quase metade das viagens são feitas em carros particulares ou da empresa. Esses são alguns dos resultados divulgados pelo IBGE hoje (12) em convênio com o Ministério do Turismo.

“A pesquisa tem como objetivo desenvolver uma conta satélite de turismo associada às Contas Nacionais, além de gerar informações básicas sobre o turismo doméstico, que auxiliem em políticas públicas e entidades privadas do setor”, explica a pesquisadora Flavia Vinhaes.

“O turismo é marcado pela sazonalidade. A pesquisa na amostra de domicílios cobriu o período de abril até agosto, que não inclui a alta temporada de viagens, geralmente em dezembro e janeiro. Na versão atualizada da pesquisa, que está em campo ao longo de todos os meses de 2020, poderemos captar uma imagem ainda mais precisa do turismo doméstico”, ressalta a pesquisadora.

“No recorte por rendimento, entre os domicílios com rendimento nominal per capita abaixo de dois salários mínimos, a principal causa de não viagem foi a falta de dinheiro. Já na faixa de dois ou mais salários mínimos, a causa predominante foi a falta de tempo”, observa Flavia Vinhaes.

“Observamos que as pessoas nas camadas de renda mais baixas saem mais do município para buscar tratamento de saúde e bem estar. Na faixa de meio a menos de um salário mínimo, cerca de uma em cada quatro viagens foi para tratar da saúde. Esse motivo não é representativo no grupo de quatro ou mais salários mínimos, chegando a apenas 4,6%”, analisa a pesquisadora.

“Isso reflete a forte influência do turismo local, ou intrarregional. Por exemplo, quem mora no estado de São Paulo costuma visitar mais outros municípios no mesmo estado, numa proporção acima de 50%. Isso acontece em todos os estados. Por ter a maior população do país, São Paulo lidera o ranking, tanto em viagens de trabalho quanto de lazer”, explica Flavia Vinhaes.

Fonte