Brasil sonha com ouro e vaga a Tóquio no rúgbi em cadeira de rodas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Agência Brasil

26 de agosto de 2019

Brasil e Canadá fazem hoje (26), às 17h, a primeira semifinal do torneio de rúgbi em cadeira de rodas dos Jogos Parapan-Americanos de Lima. “A gente ainda não conseguiu vencer o Canadá, já estivemos perto muitas vezes. Aqui mesmo em Lima acabamos errando em algumas situações importantes e perdemos por 15 tries (o gol do rúgbi). Mas vamos lá. Sinto que a gente está cada vez mais perto dessa vitória”, esse é o otimismo do Guilherme Camargo, da classe 1.5. Na outra semifinal, Colômbia e Estados Unidos se enfrentam às 19h.

“Na primeira fase desse Parapan, já conseguimos a revanche contra a Colômbia, que tirou a nossa medalha de bronze em Toronto. Estamos confiantes que vamos à final. Mas de repente, em uma eventual disputa de bronze, também chegaremos fortes”, garantiu o capitão brasileiro, José Higino.

Os Jogos Parapan-Americanos dão vaga direta às Paralimpíadas de Tóquio para o campeão e duas vagas para um classificatório mundial.

Torcida especial

José Higino é capitão da equipe nacional e ingressou no rúgbi em 2010, como forma de reabilitação da tetraplegia adquirida após bater a cabeça ao mergulhar no mar. O irmão Paulo Higino teve papel fundamental. “Ele conheceu a modalidade junto comigo e também se apaixonou.” A paixão foi tanta que trouxe frutos. “Montamos um projeto social lá na região do Gama. A partir do sucesso que tivemos lá, o meu irmão procurou o Cetefe [Associação Centro de Treinamento de Educação Física Especial]. Em parceria com o professor Ulisses Araújo, hoje temos duas equipes consolidadas na região. Atendemos a quase 50 pessoas. O nosso sucesso aqui, com certeza, também é o deles lá”.

Rugby, jiu-jítsu e Mesquita

Essas são as paixões de Júlio Braz da Rocha. Nascido com má-formação nos membros inferiores e no membro superior direito, ele pratica a modalidade desde 2015 e chegou a estar entre os melhores do mundo em 2017. Nessa edição dos Jogos Parapan-Americanos, ele já marcou 83 tries.

Braz é natural de Mesquita (RJ). “Com muito orgulho. Acho que você poder influenciar outras pessoas é muito importante. O pessoal da comunidade vê que eu alcancei a seleção brasileira e começa a ter essa consciência de que todos podem chegar lá”. E foi lá da própria comunidade, mais precisamente no Projeto Alvo da Luta, que outra paixão floresceu na vida do carioca: o jiu-jítsu. “Entrei no esporte mais para controlar a minha respiração para me ajudar no rúgbi e me manter mais tranquilo. E cheguei até a ser campeão pan-americano da modalidade. É mais um exemplo de que, em todos os esportes, não existe a questão de não conseguir. É necessário se adaptar às dificuldades. Se você quer alguma coisa, vai atrás que você consegue”.

Braz sabe muito bem das dificuldades que o Brasil vai enfrentar nessa reta final dos Jogos Parapan-Americanos. “A gente se dedicou demais. Sabemos que as equipes do Canadá e dos Estados Unidos são as favoritas por estarem lá em cima no ranking mundial. Mas lá dentro de quadra são quatro contra quatro. E vamos para cima deles, contando sempre com a torcida do pessoal lá da minha área em Mesquita.”

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati