Brasil : greve de ônibus em Curitiba e região metropolitana entra no segundo dia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira do Brasil
Outras notícias sobre o Brasil
Localização do Brasil
Localização do Brasil

27 de fevereiro de 2014

Brasil — A greve dos rodoviários de Curitiba e região metropolitana entra hoje (27) no segundo dia com 50% da frota de ônibus operando nos horários de pico e 30% nos demais períodos por determinação da Justiça do Trabalho. A Urbanização de Curitiba (Urbs), órgão que gerência o transporte público na capital, vai manter o transporte alternativo nesta quinta-feira para reforçar o transporte coletivo.

A greve foi deflagrada ontem quando nenhum ônibus circulou em Curitiba e nos 13 municípios da região metropolitana afetando 2,3 milhões de passageiros. Para minimizar o transtorno dos passageiros, a Urbs credenciou 450 veículos, entre eles, microônibus e 214 vans. Os interessados em atuar no transporte alternativo podem comparecer diretamente à sede da Urbs. O carro precisa estar em boas condições e os documentos do motorista e do veículo devem estar em dia.

Foi marcada para as 14h de hoje nova audiência do dissídio coletivo entre o Sindicato dos Motoristas e Cobradores nas Empresas de Transportes de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana e o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano.

Na primeira audiência, realizada ontem (26), não houve acordo, mas foram encaminhadas propostas de conciliação. A vice-presidenta do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR), desembargadora Ana Carolina Zaina, propôs reajuste de 10,5% nos salários de motoristas e cobradores, mesmo percentual obtido no último dissídio, reajuste de R$ 100 no cartão-alimentação, elevando o valor para R$ 400, e abono salarial de R$ 300, em duas parcelas.

Representantes dos sindicatos patronal e dos trabalhadores se comprometeram a analisar a proposta. A desembargadora determinou o retorno da frota mínima. O descumprimento da decisão acarretará multa diária de R$ 100 mil.

Os rodoviários querem reajuste de 16% para motoristas, acrescido do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que é de 5,26%, e de 22% para cobradores, mais o INPC. A categoria patronal propõe o reajuste do INPC para salários e cartão-alimentação.

Fontes[editar]


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati