Brasil: saberes das curandeiras de comunidades do litoral do Paraná são registrados em livro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

4 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por Brasil de Fato

O livro “Eu mais velha – cura, fé e ancestralidade”, que mapeia conhecimentos tradicionais, surgiu como um meio de manter vivo os saberes, as pessoas, a memória e também criar um espaço para que a história seja contada por outros protagonistas”, explica Bianca Sevciuc, autora da obra ao lado de Lais Araújo. “Também como possibilidade de resgate e de algum modo perpetuação dos saberes tradicionais, passados de geração a geração nesse local por centenas de anos, mas que vêm sendo apagados em função de diversos desafios da contemporaneidade”, completa Bianca.  

As autoras circularam por quase dois anos em comunidades do litoral do Paraná, na região do Parque Nacional do Superagui e Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba, um dos mais importantes ecossistemas costeiros do mundo. Encontraram, em seis dessas comunidades, as personagens do livro: Joventina Wariju, Mariquinha, Leontina, Nilse, Cesarina, Cleonice e Alzira, esta já falecida, que compartilharam saberes sobre benzimentos, orações, simpatias, batismo, defumações, dietas, remédios, por exemplo.

A cultura caiçara e dos Guaranis M’bya passa por uma série de desafios. Muitos dos filhos e netos dessas pessoas nunca viram uma roça, não bailam mais fandango como antes e estranham os remédios naturais. Entretanto, os conhecimentos ancestrais existentes nas ilhas ainda estão vivos. Por isso a importância de relembrar como os mais velhos realizavam a cura nessa região e refletir sobre a relação dessas tecnologias ancestrais de cura e a contemporaneidade. 

Fonte[editar]



Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit