Brasil: pesquisa indica que se eleição fosse hoje, Bolsonaro perderia para diversos candidatos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

29 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Uma pesquisa feita pelo Atlas Politico para o El País Brasil indica que se a eleição presidencial fosse hoje, Bolsonaro perderia, no segundo turno para Haddad, Lula, Ciro Gomes, Sergio Moro e Luiz Henrique Mandetta - sendo os dois últimos ex-ministros de seu governo.

"A crescente crise de imagem vivida pelo presidente Jair Bolsonaro dificultaria suas aspirações à reeleição", analisou o El País.

A pesquisa foi feita entre os dias 20 e 24 de janeiro.

Popularidade em queda

Segundo o El País Brasil, a pesquisa também mostrou que 58% dos brasileiros veem o governo Bolsonaro como "negativo", enquanto 36" veem o "conjunto da sua obra" positivamente e 6% não souberam opinar.

Resultado semelhante foi apontado pelo Data Folha dias atrás: 40% da população reprova seu governo, 31% aprova e 29% o consideram regular. A aprovação anterior de Bolsonaro no Data Folha era de 37%, indicando uma queda de 6% nas últimas semanas, portanto.

Culpa da pandemia de covid-19 - em parte

As posições polêmicas de Bolsonaro frente à pandemia de covid-19 podem estar por trás da queda em sua popularidade. Ele já chamou a doença de "gripezinha", disse que quem tinha "histórico de atleta" não ficaria em estado grave, defendeu o uso da cloroquina para cura da covid sem base científica, chamou a CoronaVac de "vacina chinesa do Dória" e disse que "não dava bola para isto" sobre a data do início da vacinação no Brasil.

Na pesquisa do Data Folha, para 11% o presidente é o principal culpado pelas mortes por covid no Brasil, enquanto 39% o veem como um dos culpados. 47% disseram que ele não tem culpa alguma e 2% não souberam opinar.

Na pesquisa do Atlas, seis em cada dez pessoas entrevistadas (60%, portanto) disseram desaprovar a gestão da pandemia feita por Bolsonaro.

Notícias Relacionadas

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit