Brasil: pesquisa do Dieese indicou que o preço dos alimentos básicos subiu em todas as capitais

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

14 de outubro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (tomada especial devido à pandemia do coronavírus), realizada pelo DIEESE, indicaram que, em setembro, os preços do conjunto de alimentos básicos, necessários para as refeições de uma pessoa adulta (conforme Decreto-lei 399/38) durante um mês, aumentaram em todas as capitais pesquisadas. As maiores altas foram observadas em Florianópolis (9,80%), Salvador (9,70%) e Aracaju (7,13%).

Em São Paulo, a cesta custou R$ 563,35, com elevação de 4,33% na comparação com agosto. No ano, o preço do conjunto de alimentos subiu 11,22% e, em 12 meses, 18,89%.

Salário mínimo deveria ser maior

Com base na cesta mais cara, que, em setembro, foi a de Florianópolis (R$ 582,40), o DIEESE estima que o Salário Mínimo Necessário deveria ter sido equivalente a R$ 4.892,75, o que corresponde a 4,68 vezes o mínimo vigente de R$ 1.045,00. O cálculo é feito levando em consideração uma família de quatro pessoas, com dois adultos e duas crianças. Em agosto, o valor foi estimado em R$ 4.536,12 ou 4,34 vezes o piso vigente.

Quando se compara o custo da cesta e o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social (alterado para 7,5% a partir de março de 2020, com a Reforma da Previdência), verifica-se que o trabalhador remunerado pelo piso nacional comprometeu, em setembro, na média, 51,22% do salário mínimo líquido para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta. Em agosto, o percentual foi de 48,85%.

Produtos com maiores altas

  • óleo de soja: apresentou elevação em todas as capitais, com destaque para Natal (39,62%), Goiânia (36,18%), Recife (33,97%) e João Pessoa (33,86%);
  • arroz agulhinha: o preço subiu nas 17 capitais, com destaque para as variações de Curitiba (30,62%), Vitória (27,71%) e Goiânia (26,40%);
  • carne bovina de primeira: teve elevação em 16 cidades, com destaque para um aumento médio de 14,88% em Florianópolis;
  • banana: o valor subiu em 15 cidades e os aumentos mais expressivos ocorreram no Rio de Janeiro (19,01%), em Aracaju (18,93%) e Porto Alegre (17,76%);
  • açúcar: subiu em 15 capitais e as maiores taxas foram observadas em Salvador (8,19%) e Brasília (8,06%);
  • leite: o preço subiu em 14 cidades, com destaque para um aumento médio de 10,99%, em João Pessoa;
  • tomate: aumentou em 14 capitais, com destaque para Salvador (32,12%) e Porto Alegre (29,11%).


Fonte

Nota: o Dieese avisa do rodapé de seu website que "todos os textos disponíveis neste site podem ser parcial ou totalmente reproduzidos, desde que citada a fonte".