Brasil: Bolsonaro é eleito "Pessoa Mais Corrupta do Mundo de 2020" por organismo internacional

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

31 de dezembro de 2020

link=mailto:?subject=Brasil:%20Bolsonaro%20é%20eleito%20"Pessoa%20Mais%20Corrupta%20do%20Mundo%20de%202020"%20por%20organismo%20internacional%20–%20Wikinotícias&body=Brasil:%20Bolsonaro%20é%20eleito%20"Pessoa%20Mais%20Corrupta%20do%20Mundo%20de%202020"%20por%20organismo%20internacional:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Brasil:_Bolsonaro_%C3%A9_eleito_%22Pessoa_Mais_Corrupta_do_Mundo_de_2020%22_por_organismo_internacional%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook link=https://twitter.com/intent/tweet?text=Brasil:+Bolsonaro+é+eleito+"Pessoa+Mais+Corrupta+do+Mundo+de+2020"+por+organismo+internacional&url=https://pt.wikinews.org?curid=68602 WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
link=mailto:?subject=Brasil:%20Bolsonaro%20é%20eleito%20"Pessoa%20Mais%20Corrupta%20do%20Mundo%20de%202020"%20por%20organismo%20internacional%20–%20Wikinotícias&body=Brasil:%20Bolsonaro%20é%20eleito%20"Pessoa%20Mais%20Corrupta%20do%20Mundo%20de%202020"%20por%20organismo%20internacional:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Brasil:_Bolsonaro_%C3%A9_eleito_%22Pessoa_Mais_Corrupta_do_Mundo_de_2020%22_por_organismo_internacional%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro ganhou um título nada lisonjeiro no final deste ano: foi eleito a pessoa mais corrupta do mundo pelo Projeto Divulgando Crimes Organizados e Corrupção (Organized Crime and Corruption Reporting Project - OCCRP) da ONG Journalism Development Network, Inc. (JDN) de Maryland, Estados Unidos.

A ONG justificou a escolha: "eleito após o escândalo Lava Jato como o candidato anticorrupção, Bolsonaro se cercou de figuras corruptas, usou propaganda para promover sua agenda populista, minou o sistema de justiça e travou uma guerra destrutiva contra a Amazônia, região que enriqueceu alguns dos piores proprietários de terras do país".

Em segundo lugar ficou o presidente dos Estados Unidos Donald Trump e em terceiro o presidente turco Recep Erdogan.

Sobre os dois presidentes a JDN escreveu: "ambos os finalistas também lucraram com a propaganda, minaram as instituições democráticas em seus países, politizaram seus sistemas de justiça, rejeitaram acordos multilaterais, recompensaram círculos internos corruptos e transformaram seus países da lei e da ordem democrática para a autocracia".

Paul Radu, cofundador do projeto disse que era até difícil escolher entre tantos candidatos. “A corrupção é uma indústria em crescimento", completou.

A ficha nada lisonjeira de Bolsonaro e seus aliados

A ONG citou uma lista de outros fatores para justificar a escolha, como:

  • Seu filho Carlos, vereador do Rio de Janeiro, está sendo investigado por um esquema de repartição de salários na cidade;
  • A ex-mulher de Jair também está envolvida em um esquema de divisão de salários;
  • Seu filho Flavio e outros aliados estão envolvidos em um longo escândalo envolvendo suas atividades como deputado, quando ele supostamente dirigia uma rede de corrupção que lavava dinheiro e cometia fraudes;
  • Mais sinistro, Flavio contratou os familiares de um homem acusado de dirigir um esquadrão da morte paramilitar que invadiu violentamente áreas do Rio de Janeiro por meio de violência e execuções sumárias, incluindo o assassinato de uma vereadora LGBT negra do Rio (Marielle Franco);
  • Quando personalidades dos órgãos jurídicos e anticorrupção do país investigaram seu filho Flavio, Bolsonaro tentou minar as investigações trocando o chefe da Polícia Federal;
  • Aliados importantes e seu filho Eduardo fizeram uma campanha de propaganda para enganar os eleitores;
  • Seu amigo e aliado Marcelo Crivella, prefeito do Rio de Janeiro, foi preso por operar o que os promotores disseram ser uma organização criminosa destinada a tirar dinheiro dos cofres públicos.

Vencedores prévios

  • 2019: Joseph Muscat, primeiro-ministro de Malta
  • 2018: Danske Bank, banco envolvido com lavagem de dinheiro
  • 2017: Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas
  • 2016: Nicolás Maduro, presidente da Venezuela
  • 2015: Milo Djukanovic, primeiro-ministro de Montenegro
  • 2014: Vladimir Putin, presidente da Rússia
  • 2013: Parlamento Romeno
  • 2012: Ilham Aliyev, presidente do Azerbaijão

Fontes