Biden assina projeto de lei que impede greve ferroviária nos Estados Unidos

3 de dezembro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A ameaça de uma greve ferroviária que poderia paralisar grande parte da economia dos EUA desapareceu na sexta-feira, quando o presidente Joe Biden assinou uma legislação que obriga os sindicatos ferroviários e as empresas a resolverem suas diferenças.

"O projeto de lei (...) encerra uma difícil disputa ferroviária e ajuda nossa nação a evitar o que sem dúvida teria sido uma catástrofe econômica em um momento muito ruim do calendário", disse o presidente pouco antes de entregar sua assinatura.

Em setembro, o governo e os demandantes chegaram a um acordo parcial. No entanto, não foi finalmente apoiado pelas bases sindicais.

Se esse acordo tivesse fracassado, a greve teria começado em 9 de dezembro, o que teria causado o caos no setor de transportes pouco antes do início da temporada de Natal.

O governo e o Congresso impediram a greve e obrigaram as empresas e os sindicatos a cumprir o acordo.

Citando fontes de sua equipe de assessoria, Biden disse que a previsão de desemprego se a greve ocorresse era de até 765.000 norte-americanos, incluindo membros do sindicato.

Com o acordo, informou a Casa Branca, agora os trabalhadores veem parte de suas reivindicações atendidas com “um aumento salarial histórico de 24% nos próximos cinco anos, melhores condições de trabalho e tranquilidade em relação aos seus cuidados médicos”.

Fontes