Ativistas defendem debate sem tabu sobre futuro de Cabinda

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

12 de dezembro de 2017

Em encontro com o governador pediram a criação de uma comissão "ad-hoc"

Ativistas de Cabinda propuseram ao governador a criação de uma comissão ad-hoc para debater sem tabu o estatuto da província.

A proposta foi feita na semana passada num encontro em que Eugénio César Laborinho convidou organizações juvenis e ativistas a debater questões que os afetam.

Os ativistas disseram na ocasião que a questão de Cabinda não pode ser dominada pelo MPLA.

"Ao longo desses tempos, a questão de Cabinda foi resumida ao grupo da Casa Militar, que corrompia tudo e todos, e nem a oposição parlamentar foi ouvida no processo", disse André Sebastião, porta-voz dos ativistas presentes.

Ele considera que a "comissão ad-hoc deve ser integrada também pelos partidos políticos da oposição e pela sociedade civil de Cabinda".

Apesar da abertura do Governador, aquele ativista lamenta que o Laborinho não tenha sido muito explícito sobre a proposta, argumentando que "há coisas que não são da sua competência".

Entretanto, Sebastião critica o fato de "o novo governo não ter autorizado uma marcha pacífica marcada para o próximo sábado, 16, por um grupo de ativistas".

Aliás, o ativista lembra que nenhuma associação foi legalizada até hoje em Cabinda, "o que me leva a perguntar se Cabinda faz parte de Angola ou não".

"Nós temos associações formadas, mas não nos deixam legalizar, vivemos uma situação de exclusão no contexto angolano", conclui André Sebastião que garante estarem os ativistas unidos "à procura de ter uma voz em Cabinda".

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati