Anistia Internacional acusa Estado Islâmico de crimes no Iraque

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

23 de dezembro de 2014

Iraque

A Anistia Internacional acusou hoje (23) o grupo fundamentalista Estado Islâmico de cometer crimes de guerra e contra humanidade “em larga escala” no Iraque, submetendo mulheres e crianças a “um tratamento particularmente brutal”. No mais recente comunicado sobre a tortura a que estão sujeitos os grupos minoritários no Iraque, a organização de defesa dos direitos humanos denuncia “o recurso à violação como arma de guerra”.

O grupo Estado Islâmico tem “sistematicamente” dirigido os ataques contra as comunidades não árabes e não sunitas, o que inclui os muçulmanos xiitas e outros grupos minoritários, como os yazidi. Entre esses, mulheres e crianças têm sido alvos de “um tratamento particularmente brutal”, diz a organização.

“Violação e outras formas de tortura e violência sexual, sequestros, privação arbitrária da liberdade e obrigar pessoas a agir contra as suas convicções religiosas são crimes de guerra”, lembra a Anistia. Apesar da condenação internacional, "o Estado Islâmico não tem revelado qualquer intenção de acabar com os crimes de guerra e contra a humanidade”, acrescenta a organização, apelando, por isso, a todas as partes, dentro ou fora do Iraque, para “pôr fim aos sequestros, casamentos forçados, violações e outros abusos”.

O Estado Islâmico continua a manter sequestradas “centenas de prisioneiros, incluindo crianças”, critica a Anistia, denunciando que aqueles que já foram libertados ou conseguiram fugir “não estão recebendo a ajuda e o apoio de que precisam, especialmente por parte das organizações internacionais. A Anistia destaca a necessidade de fornecer cuidados médicos adequados aos poucos que têm conseguido escapar do grupo.

A comunidade internacional tem repetidamente acusado o Estado Islâmico de crimes de guerra e contra a humanidade, desde que, em junho, o grupo armado fundamentalista começou a controlar vastas zonas do Iraque e da Síria, onde diz pretender instaurar um “califado islâmico”.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati