Aldo Rebelo recebe dirigentes para tratar da dívida de clubes de futebol

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de novembro de 2014

Brasil

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, reuniu-se hoje (20) com presidentes de clubes de futebol e da Comissão dos Clubes. Na pauta, as dívidas dos clubes e a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte (LRF), que tramita na Câmara e trata da renegociação das dívidas dos clubes. Após o encontro, o presidente eleito do Clube de Regatas Vasco da Gama, Eurico Miranda, informou que ele e o Vasco não reconhecem o Bom Senso F.C, movimento de jogadores que cobra reforma no futebol brasileiro.

“O Vasco não reconhece o Bom Senso, porque é uma coisa paralela. Os atletas têm seu sindicato, sua federação. O Bom Senso não defende, por exemplo, que 90% dos jogadores profissionais do Brasil trabalham apenas três meses. Não defende que tenham teto salarial. Defende privilégios para atletas que ganham R$ 200 mil, R$ 300 mil, R$ 500 mil e até R$ 1 milhão. Na verdade, esses valores acabam ofendendo o povo brasileiro. Um operário tem de trabalhar 90 anos para ganhar o que ganham aqueles que dizem que estão trabalhando demais”, salientou.

Em contato com a Agência Brasil, o diretor-executivo do Bom Senso, Ricardo Borges Martins, garantiu que o movimento não pretende concorrer com sindicatos e federações. Segundo ele, a ideia do grupo não é defender apenas uma categoria do futebol. “Embora o Bom Senso seja liderado por jogadores, ele representa toda a classe. Fazem essa confusão”. Martins salientou que é um direito do presidente do Vasco não reconhecer o movimento, mas que, mesmo assim, o Bom Senso caminha para se tornar uma associação em defesa por melhorias no futebol.

Presidente do Coritiba Futebol Clube e da Comissão dos Clubes, Vilson Ribeiro participou da reunião a convite do ministro. “O encontro serviu para mostrar a proposta, reivindicações e sugestões dos clubes". Segundo ele, a posição seria muito próxima da colocada pelo sindicato e federação representativos dos atletas e do próprio Bom Senso.

Para o presidente do Clube de Regatas do Flamengo, Eduardo Bandeira, a discussão de hoje foi o início de uma tentativa de se chegar a uma versão final do substitutivo do deputado Otávio Leite (PSDB-SP), autor do projeto de Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte. Explicou que foram discutidos detalhes e flexibilizados alguns pontos, de modo que a proposta atenda a todos. “A lei é um conjunto de medidas de responsabilidade para os clubes andarem na linha, pagarem impostos, encargos e jogadores em dia. Se pagarem o parcelamento, a contrapartida será o alongamento das dividas dos clubes”, acrescentou.

Conforme texto publicado pelo Ministério do Esporte durante o encontro, os dirigentes destacaram a importância da aprovação definitiva, ainda este ano, do projeto já foi aprovado em comissão especial da Câmara. De acordo com o ministério, as dívidas dos clubes de futebol são estimadas em R$ 4 bilhões.

Também participaram da reunião os presidentes do Internacional, Giovanni Luigi, e da Liga de Clubes do Nordeste, Alexi Portela

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati