Aldo Pinheiro: saída do PPS do governo do Distrito Federal depende de decisão do diretório regional

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de maio de 2012

Brasília, DF, Brasil — O presidente do Diretório Regional do PPS no Distrito Federal, Aldo Pinheiro, disse hoje (9) que o partido vai submeter a decisão da executiva nacional ao diretório regional, que deverá se reunir na próxima segunda-feira (14). A Executiva Nacional do PPS determinou que a legenda no DF deveria deixar a base do governo e entregar os cargos.

“A decisão [da executiva nacional] será levada ao diretório regional e, se acatarmos a decisão, vamos entregar os cargos e deixar a base [do governo Agnelo Queiroz (PT)]. Caso contrário, vamos recorrer da decisão”, disse.

Ele afirmou ainda que o diretório do PPS no DF já havia se manifestado a continuar na base do governo. “Nosso julgamento é de que isso [as denúncias] não é suficiente. As denúncias têm que ser apuradas, tem que ser maturadas. Reconhecemos que há uma crise [no governo do DF]”, disse.

O presidente do PPS Nacional, deputado Roberto Freire, disse que a decisão da executiva nacional terá que ser cumprida. “Respeito a autonomia dos [diretórios dos] estados”, disse. “A decisão da executiva nacional terá que ser cumprida. Eles vão decidir o que fazer”, acrescentou.

Freire afirmou ainda que a decisão relativa ao DF pode ser estendida a outros diretórios, mas isso vai depender de uma manifestação dos diretórios regionais. A decisão da executiva nacional foi tomada sob o argumento de denúncias de envolvimento de Agnelo com o empresário de jogos ilegais, Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, conforme investigações da Polícia Federal.

Há suspeitas também de que integrantes do governo de Goiás estejam envolvidos com Cachoeira. O PPS também integra a base de apoio do governo de Marconi Perillo (PSDB). Os dois partidos também são aliados a nível nacional e fazem parte da bancada de oposição ao governo Dilma.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati