25 organizações de direitos humanos pedem à ONU que ajude a libertar Vladimir Kara-Murza

3 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Na segunda-feira, uma coalizão de 25 organizações internacionais de direitos humanos pediu ao secretário-geral da ONU, António Guterres, e à alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, que condenassem a prisão e detenção do líder dissidente russo Vladimir Kara-Murza e exigissem sua libertação imediata junto com todos os outros prisioneiros detidos na Rússia.

Em 11 de abril de 2022, Vladimir Kara-Murza foi preso no pátio de sua casa em Moscou. No relatório compilado pela polícia, foi dito que Kara-Murza “à vista dos policiais se comportou de forma inadequada, mudando a trajetória do movimento, acelerou o passo e tentou se esconder quando solicitado a parar”. Ele foi condenado a 15 dias de prisão. Mas já em 22 de abril, um processo criminal foi aberto contra ele de acordo com uma lei recentemente adotada que criminaliza a disseminação de "notícias falsas" sobre os militares russos.

“Essas acusações são falsas e visam apenas silenciar a dissidência dentro da Rússia. Eles refletem o medo da verdade do regime de Putin”, disse uma coalizão de organizações de direitos humanos que inclui a United Nations Watch e a Fundação de Direitos Humanos.

Os autores da declaração lembram que Vladimir Kara-Murza, um crítico de longa data da Rússia e um colaborador próximo de Boris Nemtsov, o líder da oposição russa que foi morto em 2015, sobreviveu milagrosamente após duas tentativas de envenená-lo.

Apesar disso, Kara-Murza se recusou a deixar a Rússia.

“O maior presente para as autoridades que os opositores do regime podem apresentar ao Kremlin seria nossa recusa em lutar. É isso que eles [o Kremlin] querem de nós”, disse Kara-Murza na 13ª Cúpula de Genebra sobre Direitos Humanos e Democracia no ano passado.

Segundo o advogado Vadim Prokhorov, hoje Vladimir Kara-Murza pode pegar até 10 anos de prisão.

Em 4 de março de 2022, o parlamento russo aprovou uma lei que prevê prisão por até 15 anos sob a acusação de divulgar informações “conscientemente falsas” sobre o exército russo. Além disso, a Duma do Estado aprovou uma lei que prevê prisão de até três anos para pedidos de sanções contra a Rússia.

Fontes