144 combatentes ucranianos libertados na troca de prisioneiros

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

30 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Ministério da Defesa ucraniano anunciou na quarta-feira que 144 dos combatentes do país foram libertados por meio de “um mecanismo de troca” e que cerca de 100 dos combatentes libertados participaram da defesa da cidade costeira de Mariupol.

Mais cedo, um importante parlamentar ucraniano disse que Kyiv e Moscou estavam passando por um processo de troca de prisioneiros e que Roman Abramovich, um empresário russo, estava desempenhando “um papel ativo” nas negociações.

Horas depois, em seu discurso noturno à nação, o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy chamou o desenvolvimento de “otimista e muito importante”. Zelenskyy disse que 59 dos soldados que retornaram à Ucrânia eram membros da Guarda Nacional, seguidos por 30 militares da Marinha, 28 que serviram no Exército, 17 como Guardas de Fronteira e 9 que lutaram como soldados de defesa territorial e um tinha sido um soldado policial.

“O mais velho dos libertados tem 65 anos, o mais novo tem 19”, disse ele na transmissão do vídeo. “Em particular”, acrescentou Zelenskyy, “95 defensores do Azovstal voltaram para casa.”

A defesa da siderúrgica Azovstal em Mariupol destacou-se como uma luta particularmente feroz entre as forças ucranianas e russas de março a maio. Terminou com um número desconhecido de baixas do lado da Ucrânia e cerca de 2.500 combatentes ucranianos presos, segundo dados divulgados pelo lado russo.

David Arakhamia disse durante uma visita a Washington no início deste mês que Abramovich estava desempenhando “um papel ativo” nas negociações de troca de prisioneiros entre Kyiv e Moscou.

“Como ser humano, acho que ele tem a intenção de parar a guerra, ele não gosta da ideia de que a Rússia invadiu a Ucrânia”, disse Arakhamia sobre Abramovich.

No que diz respeito às negociações, “ele está tentando desempenhar o papel neutro, mas para nós, nós o tratamos como um representante russo. Ele está mais próximo de Putin [do que do lado ucraniano], é claro”, disse Arakhamia, acrescentando que a Ucrânia vê Abramovich como um “mensageiro” que poderia entregar mensagens ao presidente russo Vladimir Putin “em sua forma original.”

Abramovich era o dono do clube de futebol britânico Chelsea.

Fontes