É urgente capacitar as forças armadas moçambicanas, dizem analistas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

6 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Analistas defendem ser urgente a capacitação das Forças de Defesa e Segurança (FDS) para fazer face ao terrorismo no norte de Moçambique, enquanto os apoios externos não chegam ao país.

Nalguns círculos de opinião, defende-se que a guerra em Cabo Delgado resolve-se com formação das forças moçambicanas por especialistas internacionais e com apoio de outros países.

"A ajuda externa vai demorar algum tempo e a violência em Cabo Delgado está a agravar-se a cada dia que passa; a formação é importante, mas neste momento, o que deve ser feito é reforçar a capacidade combativa das FDS", defende o político Raúl Domingos, membro do Conselho de Estado.

Esta é a opinião também do analista Borges Nhamire, que critica o facto de nos últimos 30 anos, o país ter investido muito pouco nas forças armadas.

Proteger a população

Por seu turno, o activista social Adriano Nuvunga considera fundamental, de imediato, agir no sentido de proteger os residentes de Palma, "que foram abandonadas à sua sorte, com a retirada do pessoal da Total e de capacitar as Forças de Defesa e Segurança, porque a via de mercenários não é viável".

O analista Tomás Rondinho entende ser fundamental a capacitação das forças armadas, mas na sua maneira de ver, "parece que as autoridades não assumem que o país está em guerra."

Para o analista João Feijó, uma melhor coordenação entre o Comandante Chefe das FDS, faria com que não existissem as alegadas rivalidades entre os ministérios do Interior e da Defesa Nacional, "que acabam fazendo com que o combate aos insurgentes não seja muito eficaz".

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit