'A liberdade de imprensa já está morta em Mianmar', diz jornalista

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

25 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Todos os repórteres em Mianmar correm o risco de serem presos apenas por fazerem seu trabalho, diz um jornalista veterano agora no exílio.

Os comentários de Ye Wint Thu vêm depois que um tribunal militar na capital de Mianmar, Naypyidaw, sentenciou mais dois jornalistas à prisão nesta semana.

Han Thar Nyein, cofundador da Kamayut Media, e Than Htike Aung, correspondente de Mizzima, foram condenados a dois anos de prisão por violar a Seção 505(a) da lei do Código Penal de Mianmar, que penaliza notícias falsas e incitação.

Após tomar o poder, o governo militar no poder alterou o código penal para criminalizar comentários questionando sua legitimidade ou que pudessem causar medo ou espalhar “notícias falsas.”

Um advogado de Han Thar Nyein disse ao site de notícias local Myanmar Now que seu cliente foi acusado de incitar tumultos, algo que o jornalista nega.

Tanto Han Thar Nyein quanto Than Htike Aung, que também negaram a acusação, estão sob custódia desde março de 2021.

Nathan Maung, um jornalista americano-birmanês que trabalhou com Han Thar Nyein na Kamayut Media, disse que não há justiça.

O próprio Maung foi detido por 98 dias e torturado dentro da prisão de Insein, em Yangon, após o golpe militar em fevereiro de 2021.

“Como outros detidos políticos, Han Thar foi sentenciado com uma acusação injustificada. Eu não fiquei surpreso com o que a junta faz. Não há justiça enquanto eles estão no poder”, disse Maung.

Fontes