"Crise Financeira Internacional" leva o Google a anunciar o fim da publicidade em jornais

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Attention niels epting.svg
Como parte da política de proteção do Wikinotícias, esta notícia está protegida.

21 de janeiro de 2009

Estados Unidos


aEm mais um sinal da crise que afeta o mercado de veículos impressos nos Estados Unidos, agravada pela chamada "Crise Financeira Internacional", o mais popular site de buscas Google anunciou ontem no blog da companhia, o fim de suas atividades na venda de publicidade em jornais. Campanhas já agendadas serão mantidas até o dia 31 de março.

O Google Print Ads, lançado em novembro de 2006, com a parceria com os 50 jornais, foi interrompido por “não ter alcançado as expectativas”. A suspensão das atividades será feita no dia 28/02. O programa chegou a 807 veículos, incluindo gigantes do mercado como New York Times, New York Post, Boston Globe, Chicago Tribune, Los Angeles Times, Washington Post, Chicago Tribune, San Francisco Chronicle e San Jose Mercury News, todas afetadas com as quedas das vendas dos jornais.

“Enquanto acreditávamos que o Print Ads criaria um novo canal de receitas para os jornais e produziria anúncios mais relevantes para os consumidores, o produto não criou o impacto que nós - e nossos parceiros - queríamos”, informou o diretor do Google Print Ads, Spencer Spinnell.

“Nós continuaremos com uma equipe empenhada em descobrir como podemos ajudar as empresas de jornais. Está claro que o Print Ads não é a solução correta, então nós estamos liberando esses recursos para apresentar novas soluções online”, disse Spinnell.

O Google anunciou na semana passada que demitiria 100 recrutadores e fecharia três escritórios. Além disso, a empresa já havia anunciado o cancelamento de outros programas online que não estavam dando o lucro esperado.

Fontes