Veja traz os nomes de 113 parlamentares brasileiros envolvidos com a Máfia das Ambulâncias

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

26 de julho de 2006

Brasil

A Revista Veja, edição 1966, ano 39, no 29, de 26 de julho de 2006 cuja capa é: Máfia dos Sanguessugas: A Lista da Vergonha, traz os nomes e as fotos de 112 parlamentares acusados pelo suposto chefe da chamada máfia das âmbulâncias.

A máfia das ambulâncias é como ficou conhecido um esquema de corrupção que envolveu o Congresso Nacional Brasileiro, o Ministério da Saúde e a empresa de ambulâncias Planam. No suposto esquema, os donos da Planam subornavam parlamentares (os chamados "sanguesssugas") para que estes em troca apresentassem emendas ao Orçamento da União de modo a direcionar verbas para a compra de ambulâncias. O conluio teria ainda tido a participação de funcionários do Ministério da Saúde e de prefeitos de várias cidades espalhadas pelo Brasil.

A reportagem da página 56: Era pior do que se pensava, assinada por Marcelo Carneiro tem 8 páginas, sendo que 4 delas são ocupadas pelas fotos dos deputados e senadores acusados pelo empresário Luiz Antônio Vedoin, sócio da Planam. Vedoin está preso, foi acusado pela polícia de participar da fraude e segundo a revista está contando o que sabe para ter o benefício da delação premiada.

A lista publicada é baseada nos depoimentos de Vedoin para Justiça e de uma outra lista de 57 parlamentares investigados pela Procuradoria-Geral da República, divulgada anteriormente por uma comissão parlamentar. A lista de parlamentares que segundo Vedoin receberam propinas para apresentar emendas ao orçamento contém 55 parlamentares. Há ainda o nome de um parlamentar que não pode ser implicado diretamente, mas cujo genro teria participado da fraude. Somadas as duas listas, há 112 (ou 113) parlamentares brasileiros envolvido com o esquema de fraudes.

Os 113 nomes incluem 3 senadores e 110 deputados federais. Entre os políticos citados, alguns estão de licença, outros já terminaram o mandato, alguns já foram cassados por causa de envolvimento em outros esquemas de corrupção e uma parte (a maioria) ainda está no exercício do mandato.

Os parlamentares citados pertencem a uma grande variedade de partidos: PTB, PL, PP, PMDB, PFL, PSB, PSDB, PSL, PPS, PRB, PSC, PST e PT. 60% dos envolvidos pertencem a partidos da base aliada do governo e 35% deles cumprem a primeira legislatura.

A revista traz ainda os nomes de 58 prefeitos e 2 ex-prefeitos acusados por Vedoin de terem sido subornados. Ao lado dos nomes está a quantia em reais que cada um teria recebido.

Fontes