Inventor do carro de "De Volta para o Futuro" morre aos 80 anos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

24 de março de 2005

O pioneiro de setor industrial de automóvel, John DeLorean, morreu sábado, 19 de março de 2005, no hospital de New Jersey de complicações de um ataque cardíaco.

O nome DeLorean tornou-se famoso após a série de filmes "De Volta Para o Futuro".

DeLorean nasceu em 1925 na cidade Detroit, Michigan, de pais imigrantes europeus. Ele recebeu uma educação em engenharia de automóvel e rapidamente subiu de posição na Packard e mais tarde na General Motors. DeLorean recebeu os méritos pelo desenvolvimento do Pontiac GTO, que ajudou a introduzir a era "dos carros musculosos". Antes de 1965, DeLorean conduzia o setor de atividades do Pontiac por completo, e quatro anos depois foi promovido à posição principal de prestígio da Chevrolet e General Motors.

Em 1973, DeLorean saiu da General Motors e começou a sua própria companhia, a De Lorean Motor Company. O produto da companhia foi o DMC-12, um carro excepcional que apresentava um exterior não pintado, de aço sem mancha e portas de asa de gaivota. A companhia começou a produção em 1981 mas faliu menos de dois anos depois, tendo produzido menos de 9 mil veículos.

Apesar do fracasso da companhia e das baixas vendas, o carro tornou-se objeto de culto tempos depois com o lançamento do filme "De Volta Para o Futuro" ("Regresso ao Futuro", em Portugal), em 1985, dirigido por Robert Zemeckis e com Michael J. Fox e Christopher Lloyd nos papéis principais. No filme, o carro funcionava como uma máquina para viagens no tempo.

DeLorean teve quase tantos problemas quanto a sua companhia. Em 1982 ele foi detido por tentar vender 24 milhões de dólares em cocaína para policiais disfarçados. Após o fracasso da sua companhia, ele ficou implicado em vários processos que alegavam fraude em investimentos.

Embora DeLorean tenha tido sucesso em livrar-se das acusações referentes ao caso com a cocaína, outros casos legais iriam perseguí-lo até 1999, época em que declarou que tinha ido à bancarrota.

Fontes