Avião que decolou do Rio com destino a Paris está desaparecido

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Trajeto previsto do Airbus A330-200 que desapareceu dos radares quando sobrevoava o Oceano Atlântico. Fuso horário GMT +0

Agência Brasil

1 de junho de 2009

Um avião Airbus A330-200 da companhia aérea Air France que seguia do Rio de janeiro para Paris desapareceu dos radares brasileiros e franceses quando sobrevoava o Oceano Atlântico. As informações são da BBC Brasil e foram repassadas por autoridades aeroportuárias de Paris.

A aeronave, que tem a bordo 216 passageiros e 12 tripulantes, partiu do Rio de janeiro às 19h de ontem (31) e deveria ter chegado a Paris às 6h15 de hoje (11h15 no horário local). Controladores de voo do Aeroporto Internacional Charles De Gaulle perderam contato com o avião por volta das 23h, horário de Brasília. O local mais próximo foi nas ilhas de São Pedro e São Paulo.

Segundo a companhia aérea Air France, o avião enviou um sinal automático indicando problemas elétricos quando passava por uma área de forte turbulência. Em nota, a empresa afirma que a aeronave "cruzou uma zona com forte turbulência" por volta das 23h (horário de Brasília). Ainda afirma que o sinal automático foi recebido às 23h14, sinalizando o mau funcionamento no circuito elétrico. A queda do avião aconteceu por volta das 23h 16 min e era para fazer o último contado com o Brasil as 23h e 20 min (horário de Brasília) e assim prosseguir o voo, fazendo o primeiro contato com Senegal, as 23h25min (Horário de Brasília), só que não fez o último contato com o Brasil, só depois de 40 min, que as forças aéreas brasileiras e senegalesas anunciaram que o voo foi dado como desaparecido.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, expressou "extrema preocupação" e enviou ministros ao aeroporto Charles de Gaulle para monitorar a situação. A Força Aérea Brasileira irá refazer o itinerário do voo, saindo de Fernando de Noronha, para realização das buscas.

Duas afirmações puderam tornar possíveis a hipótese do voo 447 ter caído, uma delas é que passageiros de outro voo, da TAM, afirmam ter visto fogo e luzes no meio do mar, com as mesmas coordenadas do possível local da queda do Airbus da Air France. Outra, que parece descartada, é que encontraram destroços possíveis, dentre eles um tambor, uma poltrona de avião, partes brancas (possívelmente do avião), dentre outros, identificados pela FAB e repassados por radio amador. Eles foram identificados a 60 km de distância cada um dos pontos.

Nota oficial da Air France

Air France lamenta informar que se encontra sem notícias do voo AF 447 que efetuava a ligação entre Rio de janeiro e Paris, Charles de Gaulle, com chegada prevista às 11h15 (hora local).

O voo decolou do Rio no dia 31 de maio às 19h locais.

216 passageiros estão a bordo.

A tripulação é composta de 12 pessoas : 3 tripulantes técnicos e 9 comissários.

Um toll free está disponível : 0800 800 812 para a França, e + 33 1 57 02 10 55 para outros países

A Air France divide a emoção e a inquietação das famílias envolvidas. Os familiares serão recebidos num local especialmente reservado no aeroporto de Paris Charles de Gaulle 2, assim como no do Galeão.


'


Passageiros do voo

A Air France só divulgará a lista de passageiros após contatar todos os parentes das vítimas do acidente. Mas alguns nomes já foram confirmados não oficialmente.

  • Andrés Suárez Montes, engenheiro natural da província espanhola de Sevilha;
  • Adriana Francisco Sluijs, assessora da presidência da Petrobras;
  • Ana Carolina Rodrigues, membro da ONG Viva Rio;
  • Anne Harris, mulher de Michael Harris;
  • Antonio Gueiros, diretor da Michelin na América do Sul;
  • Berg Andersen, norueguês funcionário da StatoilHydro;
  • Bianca Machado Cotta, recém-formada em Medicina;
  • Carlos Eduardo Lopes de Mello, procurador federal;
  • Christine Pieraerts, funcionária da Michelin na França;
  • Deise Possamai, fiscal de tributo;
  • Erich Heine, presidente do conselho administrativo da ThyssenKrupp CSA;
  • Gianbattista Lenzi, membro da ONG italiana Trentini nel Mondo;
  • Gustavo Peretti, funcionário brasileiro da StatoilHydro;
  • Hilton Jadir de Souza, engenheiro da Petrobrás;
  • Izabela Maria Furtado Kestler, professora da Universidade Federal do Rio de janeiro (UFRJ);
  • José Roberto Gomes, professor do Instituto de Administração da Pontífica Universidade Católica do Rio (PUC-Rio);
  • José Ronnel Amorim ;
  • João Marques da Silva Filho; engenheiros do Estaleiro Atlântico Sul;
  • Júlia Chaves de Miranda Schmidt, advogada mineira
  • Juliana Ferreira Braga de Aquino, cantora;
  • Leonardo Veloso Dardengo, oceanógrafo, 32 anos;
  • Letícia Chem, gerente da Oi;
  • Luigi Zortea, membro da ONG italiana Trentini nel Mondo;
  • Luis Claudio Monlevad, empregado da empresa de tubulações Saint-Gobain;
  • Luis Roberto Anastácio, presidente da Michelin na América do Sul;
  • Marcelo Parente, assessor do prefeito do Rio de janeiro, Eduardo Paes, sua esposa também estava a bordo;
  • Marcela Pellizon, funcionária brasileira da StatoilHydro;
  • Marco Antônio Camargo Mendonça, diretor de ferros e ligas da companhia Vale do Rio Doce;
  • Mateus Nazareth Ceva Antunes;
  • Michael Harris, esposo de Anne Harris;
  • Nelson Marinho Filho, mecânico;
  • Octavio Augusto Ceva Antunes, professor do Instituto de Química da UFRJ;
  • Pablo Gabriel Dreyfus, membro da ONG Viva Rio;
  • Patrícia Nazareth Ceva Antunes; mulher do professor da UFRJ;
  • Pedro Luis de Orleans e Bragança, príncipe descendente de D. Pedro II [1];
  • Rino Zandonai, membro da ONG italiana Trentini nel Mondo;
  • Romeo Amorim Souza, sua esposa também estava a bordo;
  • Roberto Correa Chem, cirurgião plástico;
  • Silvio Barbato, ex-diretor musical da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de janeiro;
  • Vera Chem, psicóloga clínica;

Fontes

  1. Nota de pesar oficial da Casa Imperial do Brasil pelo falecimento do Príncipe Dom Pedro Luís de Orléans e Bragança
Na Wikipédia há um artigo sobre Voo Air France 447.